Foto: Aliocha Maurício/O Estado

A represa do Passaúna ainda apresenta níveis normais, compensando a defasagem das demais.

A chuva esperada para Curitiba e região ainda não veio, mas a chegada de uma nova frente fria amanhã promete não só provocar pancadas de chuva como baixar de modo significativo as temperaturas no final de semana. Ontem foram registradas chuvas no oeste e centro-sul do Estado e hoje deve chover no oeste e sudoeste, como reflexo de outra frente fria, que já está perdendo força.

Porém segundo o meteorologista Lizandro Jacobsen, do Instituto Tecnológico Simepar, o volume que deve cair não acabará com o problema da estiagem. "O quadro só deve ser realmente modificado com chuvas fortes, que devem chegar no final do inverno".

Até lá, a falta de chuvas, dentre outros problemas, vem provocando aumento na incidência de incêndios florestais, já que com a vegetação ressecada, o fogo se alastra mais facilmente. Foi o que aconteceu ontem no Parque Nacional do Iguaçu, na porção da reserva que fica na cidade de Céu Azul, oeste do Paraná. Segundo informações locais, o fogo destruiu cerca de 50 hectares e teria sido provocado propositadamente por caçadores. Existem ainda outros 50 focos.

Racionamento

A ausência de chuvas tem provocado o comprometimento da vazão dos principais rios do Estado, o que vem provocando uma série de campanhas para a economia de água. Apesar da mobilização da maioria da população de Curitiba e Região Metropolitana não estar sendo a esperada, algumas ações pontuais estão sendo importantes para protelar o racionamento. Com a represa do Iraí com apenas 33% de sua capacidade total preenchida, o risco da falta de água é grande. Por outro lado, a represa do Passaúna apresenta índices normais, que também alivia o sistema de abastecimento.

Para tentar auxiliar na economia, os donos de propriedades em Piraquara que possuem represas de água abrem, a partir de hoje, as comportas com o intuito de aumentar o volume de água do Rio Iraizinho. Com a ação, o objetivo é diminuir a utilização da água proveniente da represa do Iraí pela população local.

Além da mobilização dos proprietários, a Prefeitura de Piraquara também iniciou uma campanha de conscientização ambiental, incentivando a economia por parte dos piraquarenses. Vale lembrar que a cidade é responsável pelo fornecimento de água não só para Curitiba, como também para 50% das cidades da região metropolitana.

Em Curitiba, uma atitude tomada pela Urbanização de Curitiba S.A. (Urbs) também vem rendendo uma economia diária de 1.085.100 litros. Desde a quarta-feira passada, a lavagem externa de 2.100 ônibus e 351 estações-tubo foi suspensa.

Segundo o diretor de transporte da Urbs, Fernando Ghignone, outros cuidados já eram tomados antes pelas 22 empresas privadas que operam as linhas de transporte coletivo em Curitiba e região metropolitana. Algumas têm poços artesianos e outras já usavam sistemas de reciclagem de água. "Mas a água dos poços sai dos lençóis freáticos e também compromete o abastecimento, por isso também precisa ser economizada", diz Ghignone.

A Prefeitura de Curitiba suspendeu a troca de água nas 45 fontes da cidade, que era feita uma vez por mês, desde o dia 6. Apesar de o sistema das fontes permitir a reutilização, a troca era feita para manter a água cristalina.