Servidores municipais da Secretaria Municipal de Saúde, que estão em greve há 54 dias, tiveram descontos nos salários por conta dos dias parados. O pagamento ocorre nesta sexta-feira (27). Há casos de servidores com o salário zerado e outros com descontos na remuneração. De acordo com o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Curitiba (Sismuc), uma liminar judicial impede os descontos nos salários dos servidores em greve.

A presidente do Sismuc, Marcela Alves Bonfim, conta que já existiam indícios de que isto aconteceria no início desta semana, quando os servidores foram fazer compras de supermercado com o “consignado”. Os trabalhadores possuem um cartão com o qual podem fazer este tipo de aquisição a partir do dia 20 do mês e os gastos são descontados no salário no mês seguinte. “Alguns foram fazer as compras e não conseguiram realizar nada com o consignado”, comenta.

Marcela acredita que o problema na folha de pagamento deve ser resolvido até o final do mês. “Provavelmente não teve tempo de rodar a folha com os salários normais diante da liminar. Mas esperávamos que fossem refeitos os cálculos para sair o valor certo junto com o restante dos servidores”, afirma a presidente do Sismuc.

A diretora do departamento de política de pessoas da Secretaria Municipal de Recursos Humanos, Suzana Valente, explica que a folha de pagamentos já havia sido finalizada quando veio a liminar que proibia os descontos. “A Prefeitura de Curitiba vai cumprir a liminar. Estamos no processo de correção, com o esforço de concluir tudo o mais breve possível”, esclareceu. Suzana não estabeleceu um prazo para isto.

Parte dos servidores da saúde está em greve para reivindicar a diminuição da jornada de trabalho para 30 horas semanais. A redução ocorreu para cinco categorias (enfermeiro, técnico em enfermagem, auxiliar de enfermagem, técnico em higiene dental e auxiliar de consultório dentário) que representam a maioria dos servidores da saúde. Os 1,2 mil excluídos da medida reivindicam a aplicação da mesma jornada de trabalho.

Em assembléia realizada na noite desta quinta-feira (26), foi aprovada uma paralisação de 30 minutos dentro dos Centros Municipais de Urgências Médicas (CMUMs) e das unidades básicas de saúde, no dia 1º de fevereiro. Será uma paralisação em solidariedade aos profissionais excluídos. A manifestação deve ocorrer entre 7h e 7h30 nas unidades de saúde e entre 19h e 19h30 nos CMUMs.

A Prefeitura de Curitiba mantém a posição de conversar sobre a situação destes servidores somente no dia 02 de fevereiro, após a conclusão dos estudos sobre os vencimentos básicos dos servidores. “Já foi enviado um ofício ao sindicato para conversar a partir do dia 02 de fevereiro, desde que cessem a greve. Estamos esperando o retorno”, revela Suzana Valente.

Sobre a negociação dos vencimentos básicos, mais uma reunião está marcada para a próxima segunda-feira (30), quando devem ser apresentados os números dos estudos das Prefeitura de Curitiba. Para o mesmo dia está programada um ato em defesa do aumento nos pisos salariais. O Sismuc vai realizar uma nova assembléia para analisar a proposta da administração municipal para os vencimentos básicos no dia 1º de fevereiro, às 19 horas.