Quem passa pelo Rio Atuba, na divisa entre o bairro Santa Cândida, em Curitiba, e o município de Colombo, fica impressionado com a quantidade de lixo e caliça jogados às margens do local. Os resíduos, além de deixarem feia a paisagem urbana, geram uma série de transtornos à população que vive ou trabalha na região.

“A falta de consciência das pessoas é imensa. Já vi gente descarregando restos de materiais de construção na beira do rio sem a mínima preocupação ambiental. Isso aumenta o risco de enchentes e faz com que eu e outras pessoas que moram nas margens do rio fiquem sempre preocupados”, afirma o pintor de carro Paulo Correia da Silva, que há 15 anos mora na divisa de Curitiba e Colombo e há quatro anos teve a casa alagada.

Outro que já sofreu em função de enchente é o jardineiro Cícero Andrade, cuja residência fica bem próxima ao rio. Ele conta que, além dos riscos de alagamento, o lixo despejado no rio contribui com o aparecimento de ratos, moscas e baratas dentro das casas.

“O cheiro do rio também é bastante forte, principalmente no calor, quando fica muito tempo sem chover ou quando chove demais. Isso nos incomoda bastante”, diz.

O servente de pedreiro Lauro Pereira Barcelo acredita que falta fiscalização por parte das prefeituras. “Nós que vivemos perto do rio somos esquecidos pelos políticos, que só nos procuram em época de eleição. Minha casa já alagou diversas vezes e nunca foi feito nada. Nunca vi ninguém limpando o rio ou proibindo as pessoas de jogar lixo e caliça.”

Prefeituras

A prefeitura de Curitiba, através de sua assessoria de imprensa, informa que as secretarias municipais de Obras e do Meio Ambiente realizaram, durante três meses, no ano passado, um trabalho de desassoreamento do Rio Atuba, em vários trechos nos bairros Santa Cândida e Atuba.

Agora, em função das reclamações da população, integrantes da secretaria de Obras devem ir até o local para tentar identificar quem está depositando caliça às margens do rio.

“A Secretaria de Meio Ambiente também mantém um serviço de limpeza, com homens e barcos, que pode ser solicitado pelo telefone 156. Porém, isto não foi feito pela população que vive na divisa entre o Santa Cândida e Colombo.”

Já a prefeitura de Colombo diz que realizou uma dragagem no Atuba em 2008 e que vai enviar um técnico para vistoriar o trecho do rio que faz divisa com Curitiba. Na próxima semana, deve ser promovido um trabalho de limpeza no local.