Um estudo feito por pesquisadores do programa de Mestrado em Gestão Ambiental da Universidade Positivo (UP) revelou que as águas dos reservatórios de Curitiba estão contaminadas por resíduos de medicamentos utilizados pela população.

Após isolar as bactérias encontradas em uma amostra de água da Represa do Passaúna foi possível verificar que as mesmas eram imunes a certos remédios, o que confirmou a contaminação. Os medicamentos mais encontrados na pesquisa foram anti-inflamatórios e antibióticos.

De acordo com a pesquisadora Cintia Mara Ribas de Oliveira, responsável pelo estudo juntamente com a pesquisadora Eliane Carvalho de Vasconcelos, os níveis detectados são baixos, mas não inofensivos.

“Foi confirmado em laboratório que a presença dessas substâncias na água geram modificações em peixes, por exemplo. O impacto é semelhante ao uso de pesticidas”, revela.

A razão disso está ligada ao processo de tratamento do esgoto domiciliar, que não elimina por completo os resíduos. “Quando ingerimos medicamentos o organismo metaboliza os princípios ativos, mas descarta sua composição na urina e fezes. É isso que está atingindo as redes de esgoto e os reservatórios”, explica.

De acordo com ela, a solução para tal problema seria, dentre outras, a prevenção de doenças que necessitam de tratamento com esses medicamentos. “A prevenção faria com que as pessoas precisassem menos desses remédio. Além disso, precisamos de explicações nos rótulos e incineração correta de medicamentos vencidos”, aponta.