A Receita Federal fechou, na última terça-feira, um porto clandestino na cidade de Itaipulândia, região oeste do Paraná. O local servia de escoadouro para contrabando vindo do Paraguai. A descoberta foi feita quando servidores do órgão, em operação conjunta com a Polícia Federal (PF), faziam um trabalho de levantamento de informações nas margens do Lago de Itaipu.

De acordo com o superintendente regional da Receita Federal do Paraná e Santa Catarina, Luiz Bernardi, o porto era utilizado principalmente para a entrada de cigarros no País. No momento do fechamento, os fiscais encontraram, escondidos nas margens do lago, aproximadamente 750 caixas da mercadoria e mais 50 volumes de outros tipos de produtos, como brinquedos. ?Apesar de ser usado principalmente para este tipo de contrabando, não descartamos que o local fosse usado para trazer maconha e munição para o País?, afirmou Bernardi.

Segundo o superintendente, a fiscalização fronteiriça está diminuindo o comércio ilegal na região de Foz do Iguaçu. Os dados da Receita Federal mostram um aumento no número de apreensões. De janeiro a junho deste ano foram apreendidos US$ 115 milhões em mercadorias na fronteira, um aumento de 22,15% em relação ao ano passado. ?Esse resultado é mais válido ainda quando se analisa o impacto indireto. Ou seja, o quanto diminuímos o volume contrabandeado porque aumentamos a repressão?, disse Bernardi.

Nas apreensões  de maconha, o aumento é ainda mais expressivo. ?Evoluímos de 775 kg apreendidos no ano passado para 1.123 kg em 2007?, concluiu.