As principais obras viárias hoje em andamento na cidade incluem também a construção de ciclovias. Serão mais 19,9 quilômetros de vias exclusivas para bicicletas que estarão em eixos importantes como a Linha Verde Norte e Sul, Fredolin Wolf, Eduardo Pinto da Rocha, Marechal Floriano e Salgado Filho.

Os quase 20 quilômetros irão se somar aos 120 quilômetros de malha cicloviária já implantada na cidade, uma das mais extensas do país. “Com a criação de novos caminhos para os ciclistas, estamos ampliando as alternativas de mobilidade e dando condições para que a bicicleta seja cada vez mais incorporada ao cenário urbano”, diz o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Clever Almeida.

O projeto das novas ciclovias, elaborado pelos técnicos da área de mobilidade do Ippuc, estabelecem largura de 2,5 metros de pista para permitir que as bicicletas possam circular ao mesmo tempo nos dois sentidos. Prevê, também, segregação de espaço para dar segurança ao trânsito de ciclistas e sinalização especial de alerta ao longo do trajeto.

De norte a sul

Dos novos eixos cicloviários, o maior será o da rua Eduardo Pinto da Rocha, com 5,1 quilômetros de extensão, na região sul da cidade, unindo os bairros do  Sítio Cercado, Alto Boqueirão, Ganchinho e, Umbará. A obra, que inclui pavimentação, calçadas e drenagem, tem um custo de R$ 13,3 milhões e está sendo financiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Já a ciclovia da rua Fredolin Wolf, na região norte, terá 4,5 quilômetros, unindo os bairros do Órleans e São Lourenço. A obra também conta com recursos do BID e significa um investimento de R$ 15 milhões. Como no projeto da Eduardo Pinto da Rocha, a ciclovia se estenderá paralelamente à via e às calçadas.

Na Linha Verde, as obras de ciclovia estão presentes nos dois trechos que estão em obras, nos dois extremos da cidade. O trecho sul, entre o Pinheirinho e o Contorno Sul, tem 2 quilômetros de extensão. O valor total da obra, incluindo, entre outros, os custos de implantação da canaleta para os ônibus e a pavimentação das vias laterais, é de R$ 15,2 milhões. O projeto deste trecho faz parte do chamado PAC Mobilidade, um pacote de obras que preparam a cidade para a Copa de 2014.

No trecho norte em construção na Linha Verde, a ciclovia tem 1,8 quilômetro de extensão, entre o Centro Politécnico e o viaduto da avenida Victor Ferreira do Amaral. O projeto, que inclui a construção de duas trincheiras, tem financiamento da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) e custo de R$ 51,9 milhões, beneficiando moradores dos bairros Jardim Botânico, Jardim das Américas, Cajuru, Cristo Rei, Capão da Imbuia e Tarumã. A ciclovia, junto a este novo eixo de transporte, permitirá a integração entre os diferentes modais – ônibus e bicicleta.