Guiadas pelos princípios de “acolher, assistir e educar”, as Irmãs Beneditinas da Divina Providência resolveram dar um passo adiante no projeto Abrindo Caminhos que, na Vila Pompéia, no Tatuquara, atende 96 crianças e jovens de 6 a 16 anos, no contraturno escolar. O projeto, que existe desde 2002, inicia hoje uma nova fase com foco em atividades socioeducativas, ampliando o leque de atividades e trabalhando o aspecto emocional de quem passa pelo local.

A coordenadora do projeto Abrindo Caminhos, irmã Luciane Furlan explica que vai passar a empregar o programa de educação emocional Amigos do Zippy, desenvolvido pela Associação pela Saúde Emocional de Crianças (Asec) para trabalhar os vínculos das crianças e jovens com as famílias. “O objetivo é dar um suporte para eles direcionarem de forma positiva os diferentes sentimentos que trazem pelo seu histórico familiar”, resume.

De acordo com a assistente social Maria Celia Borges da Silva, como a fila de espera para participar do projeto é muito grande, o critério adotado para selecionar os 96 atendidos é o grau de necessidade. “A maioria das crianças atendidas está em situação de risco e vulnerabilidade, daí a importância de se trabalhar o emocional delas e o fortalecimento de vínculos com a família ou responsável”, comenta. De acordo com a experiência delas, a dependência química dos pais ou responsáveis é um dos problemas mais recorrentes. “Uma das crianças atendidas perdeu a mãe usuária de crack em uma chacina”, cita.

Além do respaldo emocional, diversas atividades são desenvolvidas no contraturno e algumas para a comunidade. Dentre elas: artesanato, reforço escolar, inclusão digital, orientação sobre os programas do governo, dança, capoeira, etc. Para ampliar o alcance do projeto, elas dependem de parcerias com a iniciativa privada. Quem tiver interesse de ajudar, pode entrar em contato pelo telefone (41) 3265-3738 ou pelo email: abenp@hotmail.com

Felipe Rosa
Irmã Luciane: vínculos com as famílias.