Os professores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovaram ontem indicativo de greve para o dia 25 deste mês. A assembléia foi realizada ontem pela Associação dos Professores da UFPR. Hoje, representantes de todas as universidades federais do País se reúnem para discutir a situação e amanhã será a vez de representantes de todas as categorias do setor público. Eles são contra várias medidas da reforma da previdência.

O teto máximo estabelecido para os funcionários públicos de R$ 2.400,00 não agradou aos professores. “Muitos ganham mais do que isso”, diz a presidente da Associação dos Professores da Universidade Federal do Paraná, Maria Sueli Soares.

A categoria também critica a forma como o governo pretende complementar as aposentadorias. As pessoas depositariam num fundo de pensão e teriam direito a receber conforme o que foi investido. “Os bancos iam ter lucros já que iam ficar trabalhando com o dinheiro”, explica. Para os professores, o melhor seria a criação de um plano de previdência público onde todos receberiam o salário integralmente, como o que ocorre hoje”, diz.

Ela lembra também que os funcionários públicos se aposentam com o salário integral porque contribuem mais que os da iniciativa privada, 11%. A categoria também quer evitar que os aposentados passem a contribuir.