O professor Dilson Bortolzanza, de 54 anos, que foi visto na manhã desta quarta-feira (29) enquanto entregava flores aos policiais militares, foi atingido por uma bala de borracha mais tarde, durante a guerra que tomou conta do Centro Cívico, em frente à Assembleia Legislativa do Paraná.

Dilson, que dá aula de educação física em Mandaguari, no norte do Paraná, estava em Curitiba apenas lutando pelo direito dele e de todos os outros professores estaduais. O professor, que deverá se aposentar em julho deste ano, não pensava só nele, mas sim em prol dos diretos dos servidores públicos.

A entrega das flores, virou dor. Dor não só física, mas sentimental, de um homem que, nas mãos, tinha flores e não bombas e armas. “Um dos soldados aceitou o nosso simples gesto e recebeu uma flor. Nós não estamos contra eles, muito pelo contrário”, disse o professor antes que tudo acontecesse.

Nas redes sociais, a filha de Dilson, Carolina Werneck, de 26 anos, expressou seu repúdio ao que viu acontecer definindo como: “O governo do Paraná ‘deu um tiro’ no meu pai”. De acordo com a jovem, estudante de jornalismo, ela ligou preocupada para o meu pai, e Dilson atendeu dentro de uma ambulância, porque havia sido ferido na perna por uma bala de borracha. “Minutos depois, vi uma foto no site da Gazeta do Povo, que mostrava um professor baleado. Esse professor deitado no asfalto, sendo atendido pelo Corpo de Bombeiros, é o meu pai”.

Em questão de minutos, a foto tomou conta das redes sociais e mais de 19 mil pessoas compartilharam. A jovem retrucou o ataque respondendo que o pai dela não é um bandido e sim um professor, em todos os sentidos. “Meu pai trabalhou a vida toda como professor de educação física e assim criou a mim e aos meus irmãos. Meu pai nunca roubou, nunca matou, nunca agrediu ninguém. Meu pai vive tentando pegar aulas extras, para que seu salário não tenha um valor ridículo. Meu pai é uma pessoa que sempre detestou brigas. Meu pai não é baderneiro, é um homem honesto e trabalhador, como foi a vida toda. Meu pai teria, portanto, o direito constitucional de ir e vir, mesmo em frente à Alep, mesmo dentro dela, já que aquele é um local público, e não propriedade dos deputados que ali estão, de passagem, porque foram democraticamente eleitos pelo povo, do qual meu pai faz parte”, disse Carolina.

Antes de ser atingido por uma bala de borracha, o próprio professor reconheceu que os policiais estavam lá cumprindo ordens, mas que isso não exclui o que todos sabem sobre a situação complicada que os funcionários públicos passam, mas fez um lembrete importante. “O governador Beto Richa também passou pelo banco das escolas. Ele devia ter, no mínimo, consideração”.

Enquanto Dilson e tantos outras pessoas eram atendidas do lado de fora, lá dentro, o presidente da Alep, deputado Ademar Traiano (PSDB), continuava à sessão como se nada tivesse acontecido.

E a gentileza foi…. Foto: Gazeta do Povo.

Confira o post completo

O GOVERNO DO PARANÁ “DEU UM TIRO” NO MEU PAINesta quarta-feira, enquanto acompanhava pela internet a votação do projeto…

Posted by Carolina Werneck on Quarta, 29 de abril de 2015