Os novos valores de tarifas bancárias começam a ser cobrados a partir desta quarta-feira (30), em todo o Brasil. Os custos foram padronizados em setembro de 2007 por meio da resolução n. 3.518, do Banco Central. Em Londrina, os atendentes do Núcleo Municipal de Proteção ao Consumidor (Procon) foram treinados para responder as dúvidas em relação às novas normas.

De acordo com o coordenador do Procon, Flávio Caetano de Paula, o governo federal unificou os pacotes de  serviços e tarifas que devem ser respeitados por todas as instituições  bancárias. "A partir de agora o consumidor vai saber quanto gasta com tarifas bancárias", disse o coordenador.

Flávio de Paula informou que, conforme a resolução, existem vários serviços bancários que não podem ser cobradas tarifas por mês, como até quatro saques, dois extratos, duas transferências de recursos entre contas da própria instituição e outros. "Os consumidores devem ficar atentos e verificar se os bancos estão expondo os custos das tarifas que devem estar fixadas em locais visíveis e com condições de leitura", ressaltou o coordenador.

Ainda conforme Flavio de Paula, outra novidade é que os bancos são obrigados a enviar para todos os clientes até o dia 28 de fevereiro de cada ano, um relatório informando os valores cobrados durante o ano. "Esta medida é importante porque o consumidor vai avaliar e comparar os valores cobrados pela instituição. É uma forma de ter clareza sobre os gastos com as tarifas bancárias", disse.

Durante a capacitação, os profissionais que atuam no Procon receberam do coordenador, todas as informações sobre as novas normas de cobrança de tarifas bancárias. As orientações ao consumidor poderão ser feitas por meio do telefone 151, no site da instituição www.londrina.pr.gov.br/procon, pelo email-procon@londrina.pr.gov.br ou na própria sede que fica na rua Prefeito Hugo Cabral, nº 957.

O coordenador informou que a partir de quarta-feira (30) os atendentes estarão prontos para atender a população. "Conforme a necessidade poderemos até fazer visitas aos bancos para verificar se estão cumprindo o que determina a lei", concluiu.