O prefeito de Curitiba, Beto Richa, e o vice-prefeito Luciano Ducci anunciaram na noite da última quinta-feira a regularização das vilas Formosa, São José e Canaã, na Regional Portão, beneficiando 300 famílias. O diretor de marketing da Fundação Cultural de Curitiba, Eduardo Pimentel Slaviero, participou da solenidade.

“Estamos fazendo uma revolução. Nunca se fez tanto pela habitação em Curitiba, como foi feito nos últimos cinco anos”, disse o prefeito durante um encontro com moradores e lideranças comunitárias da região, no ginásio de esportes da Rua da Cidadania do Fazendinha, onde foi recepcionado pela escola de samba Mocidade Azul, atual campeã do carnaval de Curitiba.

Richa e Ducci também assinaram ordens de serviço para construção de três Espaços Saúde, do Armazém da Família Uberlândia, ampliação da creche Vila Lindóia, construção de uma quadra coberta na Escola Municipal Marçal Justen e pavimentação em 28 ruas.

O prefeito ainda entregou uma nova viatura equipada para a Guarda Municipal. “A cidade faz aniversário e a população ganha esses grandes presentes”, disse Richa. Curitiba completa 317 anos no dia 29 de março.

Os novos Espaços Saúde serão na Vila Lindóia, Santa Quitéria e Vila Feliz. Esses locais ficam ao lado das unidades de saúde, e são sedes de reuniões comunitárias, oficinas e outras atividades.

“A nossa população está realmente agradecida. Isso aumenta a auto-estima dos moradores, estamos todos muito felizes”, afirmou Marcos Antonio Moraes, presidente da Associação de Moradores Vilas Malvinas e Moradias Palmas.

Regularização

Beto e Ducci entregaram aos presidentes das associações de moradores das três vilas a escritura de transferência de domínio da área em que elas estão localizadas. A área, de 73,6 mil metros quadrados, no Novo Mundo, pertencia à Caixa Econômica Federal e foi repassada à prefeitura.

Com esse documento será possível iniciar o projeto de regularização fundiária das três vilas, que será desenvolvido paralelamente às obras de urbanização que estão em andamento.

A escritura põe fim a uma disputa judicial entre os ocupantes e a Caixa Econômica, que se arrastava desde 1935. Com o documento, as 300 famílias garantem a permanência na área e acabam em definitivo com a possibilidade de despejo, que chegou a ser determinada pela Justiça.

O superintendente nacional da Caixa Econômica Federal, o curitibano Paulo Roberto dos Santos, elogiou a parceria entre o banco e a Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab).

“Essa é uma parceria de sucesso, porque aqui as coisas funcionam. É muito frustrante quando a Caixa faz a parte dela e a prefeitura do município não. Mas aqui, em Curitiba, isso não acontece”, afirmou Santos.