Tão difícil quanto transitar pela Rua Eloir Dide Maria, na Vila Santa Rita, na região do Tatuquara, é tentar por diversas vezes conseguir que o asfalto seja colocado na via. A última tentativa dos moradores foi há três anos, quando um programa da prefeitura selou uma parceira onde a comunidade arcava com o material e a execução da obra ficava por conta da administração municipal. O pagamento antecipado, porém, até permitiu que as pedras e o meio fio chegassem ao local, em agosto de 2012, mas em outubro a obra foi abandonada.

Felipe Rosa
Rute: “em dias de chuva, aqui vira um rio. A lama já ficou na altura do meu joelho”.

Segundo o comerciante João Acir Xavier, foram arrecadados R$ 600 de cada uma das 65 residências da rua. “Muitos pagaram à vista, para serem abandonados logo depois que o então prefeito perdeu as eleições”, reclama ele, que mora há 12 anos em uma das casas da Eloir Dide Maria. A auxiliar de lavanderia Rute de Fátima Fernandes não se conforma de ter visto o vizinho dela morrer sem ver a rua asfaltada. “Fazia 16 anos que éramos vizinhos e ele não conseguiu ver a rua da própria casa arrumada”, lamenta. “Em dias de chuva, aqui vira um rio. A lama já ficou na altura do meu joelho”, explica.

A moradora Roseli Dubinski diz que, além da sujeira, ela ainda convive com um drama ainda maior por conta da falta de pavimentação. A filha dela de apenas oito anos tem uma doença nos pulmões, fibrose cística, que agrava com as condições de poeira e umidade oferecidas pelo local. “Tem dias que só depois de quatro inalações ela consegue respirar com mais conforto”, relata.

Segundo a Secretaria Municipal de Obras Públicas, as obras iniciadas em agosto de 2012 faziam parte de um pacote de nove ruas viabilizadas entre prefeitura e moradores. Pelos registros da Regional do Pinheirinho, as obras foram suspensas em outubro. A assessoria da SMOP explicou que a prefeitura tem o objetivo de concluir as obras, mas ainda não há previsão de quando os trabalhos serão retomados.

Confira no vídeo a reclamação dos moradores.