A prefeitura de Curitiba rebateu a informação do Sindicato das Empresas de Transporte Público (Setransp) sobre a ausência dos repasses previstos em contrato para manutenção do sistema. Esta situação pode inviabilizar o pagamento do 13.º salário de motoristas e cobradores. A administração municipal garante que está “rigorosamente” em dia com os repasses e que só o provisionamento para o 13.º chegou a R$ 20 milhões. “Cabe às empresas informar no que aplicaram os recursos que deveriam estar reservados ao pagamento dos trabalhadores”, diz a prefeitura.

A declaração, no entanto, não descarta a possibilidade de greve, já que o sindicato que representa a categoria ainda não foi informado formalmente sobre a situação. A audiência que estava prevista para ontem, no Ministério Público do Trabalho, foi cancelada por falta de representantes das entidades. Uma nova reunião foi marcada para hoje, às 15h.