O bairro do Pilarzinho é conhecido por suas colinas e áreas verdes. No entanto, a região agora também poderá ser lembrada por abrigar uma praça “fantasma”. Mapas de sistemas de navegação e da internet e até a página da prefeitura de Curitiba indicam que neste ponto, na Rua Carlos Henrique Castor, fica a Praça Paulo Santi. No entanto, a área, com 446 metros quadrados, está completamente vazia, coberta por areia, paralelepípedos e pedras portuguesas. Até pouco mais de um mês atrás, uma empresa de engenharia, com sede ao lado do local, utilizava o terreno como estacionamento para o maquinário.

Morador da região há pouco mais de um ano, Marcelo Luiz Beck estranhou quando viu no sistema de mapas do site Google que existia uma praça em frente ao condomínio onde vive. “Consta como instalada e executada no site da prefeitura. Nos mapas do Google, inclusive, já tem nome e localização, mas não existe nada no local a não ser um terreno que é utilizado como estacionamento”, diz. Beck também afirma que a área é utilizada como pátio de uma empresa de engenharia, localizada ao lado da “praça”. “Ao andar pelo terreno é possível encontrar restos de asfalto, pedras, paralelepípedo, madeiras e detritos em geral”, explica.

O aposentado José Maria Godoy é morador da região há 15 anos. Ele disse aos Caçadores de Notícias que nunca soube que o terreno era uma praça pública do município. “Passo aqui todos os dias para fazer minha caminhada e a área pra mim sempre foi um terreno abandonado e não uma praça. Se for realmente uma praça, não me avisaram”, brinca. Godoy ainda diz que um espaço público viria bem a calhar. “Seria importante para os moradores da rua poder contar com uma praça mais próxima de casa. Aqui quase não há praças e um espaço como esse seria importante para a criançada da região”, diz.

Projeto

Segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, a empresa de engenharia já foi notificada sobre o uso da área como estacionamento e pátio. O órgão ainda informa que após a liberação do local, o Departamento de Parques e Praças deverá iniciar o projeto de instalação da estrutura de espaços públicos, que prevê a colocação de bancos, brinquedos infantis, lixeiras e iluminação pública.

Divulgação/SMMA
Até o mês passado, empresa de engenharia utilizava a área como estacionamento e depósito de materiais de construção.
Divulgação/SMMA
Área de 446 metros quadrados era utilizada por empresa de engenharia como estacionamento e depósito de material de construção.