Foto: Daniel Derevecki

A rua abriga instituições de ensino e empresas de diferentes segmentos.

O movimento de veículos é intenso na Rua Luiz Franceschi, no bairro Thomaz Coelho, em Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba.

Os veículos passam por dois trechos da rua que não são asfaltados, que somam 900 metros de extensão. O resultado disso é poeira, nos dias secos, e lama, no período de chuvas.

A via abriga instituições de ensino e empresas de diferentes segmentos. Ela também é alternativa para os veículos em relação à Avenida das Araucárias, uma das principais da cidade. São dois trechos sem asfalto: um de 600 metros e outro de 300, este próximo ao terminal de ônibus Angélica.

Como o trecho de 600 metros não asfaltados fica em declive, muita água acabava acumulando em um dos pontos da rua. Os alagamentos só pararam porque uma empresa localizada na rua fez uma espécie de valeta no lugar crítico.

?Quando chovia demais, os carros não passavam. O problema estava sério demais. Construímos a valeta para a água circular?, conta um dos sócios da empresa, Wilbor Tesseroli Batista.

De acordo com ele, foram feitas diversas tentativas – verbais e formais – para que a Prefeitura de Araucária asfaltasse os trechos que possuem problemas. No entanto, o asfalto não foi aplicado.

Segundo a Prefeitura, existe um projeto de pavimentação da Rua Luiz Franceschi. A execução da obra, porém, não está prevista para este ano. O processo de seleção para a pavimentação das ruas de Araucária prioriza locais onde há uma maior concentração de moradores.

A Prefeitura explica ainda que não está alheia a esse problema, apenas está seguindo o critério de prioridades. Como a rua não se encaixa nesse quesito, ela ainda não foi asfaltada.