Foto: Chuniti Kawamura

 Moradores reclamam do mau cheiro e da sujeira nas ruas da região.

Em São José dos Pinhais, segundo a Sanepar, somente 31% da população é atendida com rede de esgoto. No entanto, os munícipes que reclamam são justamente os que têm saneamento básico. O problema está no Jardim Ipê II, onde os moradores dizem estar pagando por um serviço inoperante.

?O esgoto existe, mas não funciona desde 1998, quando foi instalado. Isso que você está vendo (aponta para a sujeira sobre a grama) é o que volta?, afirma o presidente da Associação de Moradores, Manuel Altemir Pereira.

Além de provocar sujeira e mau cheiro, a água que não desce pela rede volta para as residências. ?A minha tia tem um saco de areia no ralo para segurar o cheiro e a água. O esgoto volta, a descarga não vai e em dia de chuva é muito pior?, reclama Jaqueline Cesar, moradora da Rua Sebastião Rosa de Moraes. Mesmo pagando de R$ 25 a R$ 30 de esgoto – de uma conta total de água de R$ 62 – Jaqueline teve de quebrar a caixa de esgoto para que a água fluísse. A questão é que todos os dejetos vão para a rua.

Ao lado da casa de Jandira dos Santos, de 72 anos, o mato é todo coberto de vestígios de esgoto. ?Entupiu alguma coisa e quando chove tudo isso vai para baixo da minha casa. Fica um cheiro de esgoto e tem dia que não dá nem para comer?, afirma a senhora, moradora da Rua Sebastião Cordeiro Nenevê.

O esgoto que não segue o fluxo devido ainda põe em risco o Rio Pequeno, que passa pela região. Os terminais de coleta de esgoto do bairro estão cheios e não circulam. Segundo Manuel Pereira, quando chove, o rio enche e passa por cima dos terminais. Águas do rio, da chuva e do esgoto se misturam e voltam ao manancial.

Culpa da chuva

Segundo Fábio de Queiroz, gerente da Unidade Curitiba-Leste da Sanepar, ?o problema é que, quando chove forte, como nos últimos dias, a água pluvial entra na rede, que se torna inoperante?. Ele afirma que a companhia tem um projeto para rebaixar a estação reservatória do local, para que não fique no mesmo nível das cotas de água. O processo que ele chama de ?estação elevatória? é para ser iniciado dentro de um mês. Outra solução, apontada pela Sanepar, seria ampliar o sistema coletor de esgoto e ter a ajuda da Prefeitura na drenagem da área.

O secretário de Obras de São José dos Pinhais, Sérgio Muniz, afirma que a Prefeitura mantém valas – a céu aberto e fechadas – que fazem o escoamento da água no local. Porém, segundo ele, ?isso é um problema que sempre vai existir. Só a drenagem não vai resolver a situação?. Outro agravante do problema, de acordo com o secretário, seria a clandestinidade. ?Apesar de terem rede coletora, ainda tem muita ligação de esgoto clandestina. Isso acaba piorando o problema deles mesmos?, afirma Muniz.