A Polícia Militar do Paraná voltou a usar boina, em vez do quepe, para proporcionar mais conforto ao policial, principalmente, no atendimento de ocorrências. O quepe, de material mais duro e pesado, chegava a atrapalhar, por exemplo, na necessidade de correr. A boina preta, que já fez parte do uniforme da corporação, está sendo distribuída ao efetivo. O Corpo de Bombeiros vai usar boinas vermelhas, conforme o tipo de uniforme.

Quem trabalha nas ruas aprovou a mudança. O sargento Carlos Alberto Lopes de Souza, do 17.º BPM, que trabalha em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, disse que os policiais estão gostando da nova ?cobertura?, como é chamado o assessório. ?A boina é melhor, porque se adapta ao formato da cabeça. Com ela a gente nem lembra que está com a cobertura. O quepe cai, ocupa espaço, estraga mais fácil e pode deformar?, avaliou.

De acordo com o sargento Lopes, a população percebeu a mudança no uniforme. ?Como já somos conhecidos da comunidade, as pessoas perguntam o motivo da mudança e dizem que gostaram da alteração no uniforme?, comentou.

O sargento Jorge Luiz Lack, que trabalha no setor administrativo da Polícia Militar e participa semanalmente das operações ?fecha-quartel? ? quando o efetivo administrativo reforça o policiamento nas ruas ? também prefere a boina ao quepe. ?É mais leve, não sua tanto a cabeça, dá maior mobilidade ao policial, pois o quepe, numa necessidade do policial ser rápido pode cair?, disse.

Lack entrou na PM em 1980. Naquela época, até 1988, a boina fazia parte do uniforme da PM. A farda era azul petróleo. Depois de 1988, foi adotado o quepe. Mas não são todas as unidades da corporação que vão usar a boina. Os batalhões especializados ? Trânsito e Rodoviária ? permanecem com o quepe. O efetivo da Polícia Ambiental usa o boné na cor verde.