Foto: Ciciro Back/O Estado

Sérgio Fontes e João Adolfo Oderich anunciaram a novidade.

O ar de Curitiba e Região Metropolitana deve ficar mais puro a partir de agora. A Petrobras começa a distribuir amanhã um óleo diesel com 75% a menos de enxofre, um dos componentes de combustíveis mais nocivos ao meio ambiente. O diesel metropolitano 500 ppm (partes por milhão) substitui o diesel metropolitano 2.000, que passará a ser utilizado como diesel interior. O diesel 3.500, disponibilizado em postos que abasteciam veículos fora do eixo metropolitano, não será mais produzido.

A mudança na composição do combustível, utilizado essencialmente nas frotas de ônibus e caminhões, foi possível após um longo período de pesquisas. Em abril do ano passado, o diesel metropolitano 500 passou a ser disponibilizado em outras áreas metropolitanas, como São Paulo. ?Na capital paulista, os testes feitos com a composição do ar mostraram uma redução significativa na quantidade de enxofre?, diz Sérgio Fontes, consultor da área de abastecimento da Petrobras.

Para Curitiba, a estimativa é de que com a substituição do combustível utilizado sejam lançados, por ano, 2.168 toneladas de enxofre, representando uma economia de custo social em US$ 10 mil. O Banco Mundial mede em parâmetros a relação do custo social com o material particulado lançado no ar, que ocasiona doenças, especialmente pulmonares. Trocando em miúdos, poupando o meio ambiente, a economia se reflete no setor da saúde.

O diesel 500 que será utilizado em Curitiba e Região Metropolitana será 50% produzido pela Refinaria do Paraná (Repar) e o restante virá por cabotagem ou rodovias. ?A demanda de diesel metropolitano comercializado por mês pela Repar é de 80 mil metros cúbicos ao mês. Desse volume, 40 mil metros cúbicos serão produzidos em nossas refinarias?, diz João Adolfo Oderich, gerente geral da Refinaria Presidente Getúlio Vargas.

Apesar de o processo de separação do enxofre ser consideravelmente mais caro – o investimento da Petrobras na nova tecnologia foi de US$ 750 milhões -, Oderich garante que o preço do diesel nos postos não subirá. ?Se acontecer, será um aumento mínimo. O consumidor não sentirá o efeito no bolso.?

O diesel 500 já está sendo distribuído em postos nas áreas metropolitanas onde existe maior concentração de poluentes no ar, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Vale do Aço. Apesar da distribuição em Curitiba começar amanhã, a previsão é de que a substituição total só aconteça em 15 dias, causando um impacto significativo no ar, especialmente em função da expressiva frota de coletivos da capital e região, que possui algo em torno de 6 mil veículos.