A conta na farmácia pode pesar menos com a pesquisa de preços. O velho recurso de economia ganhou facilidades na internet e algumas ferramentas como o site www.consultaremedios.com.br, há três anos, reúne gratuitamente informação com comparação de preços atualizados de farmácias em todo o País. O resultado é a economia de até 70% dependendo do tipo de medicamento e com dado importante o Preço Máximo ao Consumidor definido pela Anvisa. Ele permite descobrir se o desconto ofertado é verdadeiro.

Segundo o diretor do site, Paulo Vion, por dia o site registra 700 mil acessos e planeja a partir dos novos recursos que disporá neste início de ano, alavancar a 1,5 milhão o número de visitas diárias. Para dobrar o número de acessos, a partir do dia 25 uma série de recursos será oferecida. “Agregaremos novas informações como as interações que comprometem a eficiência dos remédios. Também cadastraremos os medicamentos de uso contínuo para possibilitar que o consumidor encontre a farmácia que a compra completa fique mais barata”, destaca Vion. “Também estamos na fase final do desenvolvimento de aplicativos para celulares e tablets, que contarão com sistemas para lembrar o horário de tomar o medicamento”.

História

O Consulta Remédios surgiu em 2000 para suprir os profissionais de saúde de informações sobre princípios ativos dos remédios, um ano após a Lei dos Genéricos. Em novembro de 2011 foi adquirido pelo Grupo Codal, que atua no ramo imobiliário e deu tratamento de negócio ao site. A receita vinda com anúncios de farmácias e outros serviços relacionados ao comércio eletrônico das mesmas é o que garante a viabilidade do site. “É um negócio onde o segredo é ganhar pouco de múltiplos serviços. Como as farmácias que não pertencem a grandes redes ainda não usam a internet em sua plenitude, estamos focados em oferecer soluções tanto para a aproximação com o consumidor, quanto na relação com os laboratórios.”