Foto: Arquivo/O Estado
Cientista faleceu no dia 8 de março do ano passado.

A relação entre o Paraná e o meio universitário de São Paulo tornou-se ainda mais ampla. Recentemente, a Universidade de Campinas (Unicamp) batizou sua biblioteca central e seu laboratório de Física com o nome do cientista paranaense César Lattes, que morreu em 8 de março do ano passado, aos 81 anos de idade.

Além disso, a biblioteca passou a contar com o acervo pessoal mantido por Lattes durante a vida. Graças à doação feita por familiares, os estudantes de diversos cursos oferecidos pela Unicamp, assim como o público em geral, estão tendo acesso a livros e documentos do cientista.

"César Lattes atuou como professor da Unicamp por vários anos (de 1969 a 1986). Na biblioteca central da instituição, ele realizou grande parte de seus experimentos. Por isso, achamos que nada seria mais justo do que homenageá-lo dando seu nome ao local", afirma o reitor da Unicamp, José Tadeu Jorge.

Na parte interna da biblioteca, além das obras literárias e documentos pertencentes ao paranaense, foi reproduzido o ambiente do escritório no qual o cientista trabalhava em sua casa. Para que isto fosse possível, a Unicamp também recebeu dos familiares de Lattes móveis e objetos pessoais. "As doações feitas por familiares confirmam o grande carinho que o cientista tinha pela Unicamp. Na instituição, ele foi de imensa importância na implantação do Instituto de Física, criando suas diretrizes ao orientar jovens que estavam ingressando nos estudos", declara José Tadeu.

O reitor também lembra a importância de César para o avanço do setor científico brasileiro. O paranaense foi o descobridor do Méson Pi, em 1947, uma partícula que deu grande impulso à física em nível mundial; e, no ano de 1951, contribuiu com a criação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ). "Numa época em que no Brasil se acreditava que investir em ciência era desperdício, César Lattes ajudou a convencer as autoridades que a ciência era um caminho de grande importância para o desenvolvimento", finaliza.