O governador Beto Richa renovou nesta quarta-feira (9) um convênio com a Pastoral da Criança que prevê o repasse de R$ 1 milhão, em cinco parcelas, para o atendimento de crianças e gestantes de comunidades carentes. Os recursos são do Fundo Estadual de Saúde.

“Este é um gesto de reconhecimento do trabalho da Pastoral da Criança, que é respeitado internacionalmente e fundamental para que o Paraná tenha baixos indicadores de mortalidade infantil e materna”, afirmou o governador.

Richa disse à coordenadora nacional da Pastoral da Criança, irmã Vera Lúcia Altoé, que o governo pretende aumentar o repasse de recursos para a entidade no próximo ano. Isso será possível porque o volume de recursos da saúde será aumentado consideravelmente com o cumprimento da Emenda Constitucional 29, que destina 12% da arrecadação para a área.

“Nosso primeiro orçamento terá pelo menos R$ 340 milhões a mais para a saúde, o que permitirá ampliar as boas parcerias e fazer muitos investimentos necessários para melhorar a qualidade dos serviços à população”, afirmou Richa.

O secretário da Saúde, Michele Caputo Neto, disse que os recursos entregues à Comissão Pastoral da Criança estão em boas mãos. “A Pastoral tem milhares de voluntários que prestam um serviço excepcional. Eles atendem e salvam a vida de milhões de crianças e de mães que vivem justamente nas comunidades mais pobres”, afirmou. “Reconhecer e apoiar o trabalho de parceiros estratégicos como este é fundamental”, completou.

De acordo com o secretário, a Pastoral da Criança será uma das parceiras do programa Mãe Paranaense, que deve ser lançado nos próximos meses.

Para a irmã Vera Lúcia Altoé, o Paraná é generoso e seu exemplo deveria ser seguido por outros estados. “Nosso trabalho é ajudar justamente as pessoas mais carentes. Hoje, se o índice de mortalidade infantil é baixo, isso se deve em muito ao trabalho dos líderes voluntários da Pastoral da Criança”, disse.

O vice-governador e secretário da Educação, Flávio Arns – sobrinho da fundadora da Comissão Pastoral da Criança, a médica pediatra e sanitarista Zilda Arns Neumann (morta em 2009, em um terremoto, no Haiti) – destacou a seriedade da entidade. Arns também afirmou que a atitude do Governo do Estado é uma demonstração de respeito ao terceiro setor. “É preciso agradecer ao terceiro setor. Sem ele, não teríamos o atendimento a pessoas com deficiência, idosos, dependentes químicos, santas casas e outras entidades”, disse.

Vinculada à Comissão Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Pastoral da Criança é uma instituição sem fins lucrativos e tem seu trabalho em favor das crianças reconhecido mundialmente. Foi criada em 1983 e hoje atende 174 mil crianças e 9 mil gestantes de 4.673 comunidades de 374 municípios do Paraná, com apoio de 26 mil voluntários. No Brasil, são quase 2 milhões de crianças e uma rede de 250 mil voluntários.