Uma equipe de sete médicos e enfermeiros voluntários saiu neste sábado (29) pela manhã do aeroporto do Bacacheri, em Curitiba, rumo à cidade de Itajaí (SC). Os profissionais foram levados em dois aviões do Governo e vão ficar à disposição da organização catarinense de assistência às vítimas das enchentes, para trabalhar nos hospitais de campanha de Itajaí e Blumenau.

Equipamentos para atendimento médico e antibióticos, anti-inflamatórios e analgésicos arrecadados no Paraná também foram levados. Além de remédios, informações vindas da Defesa Civil de Santa Catarina dão conta que existe uma grande necessidade na região por qualquer pessoal qualificado no setor de saúde, principalmente de clínicos gerais.

O médico voluntário Pedro Grein lembrou que as infecções e doenças crônicas são os principais riscos imediatos da população catarinense. “Além da leptospirose, infecção grave que é muito comum enchentes, pacientes com doenças como diabetes e cardiopatias têm que tomar a medicação, já que podem sofrem derrames ou infartos”, afirmou.

O grupo de sete médicos é o primeiro de uma lista de 32 profissionais voluntários que a Cruz Vermelha já tem cadastrado em Curitiba. Cada um deles ficará por um período mínimo de quatro dias trabalhando na região. “As diretorias dos hospitais estão nos dando bastante apoio, assim como os nossos colegas, que cobrirão nossos plantões aqui. Consideramos que se os catarinenses precisam de ajuda e nós, médicos, temos condições de ajudar, não podemos ficar vendo a situação apenas do sofá de casa”, afirmou a médica Lorete Follador.

O Major do Corpo de Bombeiros Carlos Machado Mascarenhas reafirmou que toda a estrutura da Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e transporte aéreo do Governo está à disposição de Santa Catarina. “Hoje estamos abrindo uma rota aérea de solidariedade. Conforme eles forem necessitando, nós faremos o revezamento dessa equipe, levando mais medicamentos e tudo que for necessário”, explicou.

Arrecadação

O coordenador da Defesa Civil do Paraná, tenente-coronel Washington Rosa, pediu que o população paranaense concentre as suas doações em alimentos, preferencialmente os que podem ser consumidos sem preparação, além de material de higiene e água potável. “Nossa informação é que essas são as primeiras necessidades. As pessoas que perderam suas casas infelizmente ainda não estão em condições de receber, por exemplo, móveis e roupas. Mas obviamente estamos recebendo qualquer doação e esse material está sendo guardado e será levado posteriormente”, explicou.

O Corpo de Bombeiros, em parceria com organizações não-governamentais como a SOS Animais, ainda está arrecadando, até domingo (30), às 16 horas, ração para animais. O material pode ser levado à Sociedade beneficente Dom Pedro II, na Rua Brigadeiro Franco, 3662, Curitiba.