As redes coletoras de esgoto são dimensionadas para conduzir às estações de tratamento apenas o esgoto doméstico, resultante do uso dos banheiros, tanques e pias de cozinha. Materiais como plásticos, panos, pedaços de madeira, entulho de construção e óleo de cozinha não devem ser descartados na rede coletora. Quando são, causam entupimentos e rompimentos de rede, provocando o retorno do esgoto para dentro dos imóveis ou extravasamento nas ruas e poços de inspeção (local onde é feita a manutenção e limpeza das
redes).

“Os maiores problemas de operação do sistema de esgoto são provocados pelas pessoas que deixam entrar na tubulação coisas que nunca deveriam estar lá. O material lançado inadequadamente nas redes se acumula, tranca o fluxo do esgoto e acaba ocasionando extravasamento nos pontos mais baixos da rede ou, até mesmo, refluxo para dentro dos imóveis”, alerta o gerente da Sanepar Renato Mayer Bueno.

Um mau exemplo do uso da rede coletora ocorre com o óleo de cozinha. Junto com outros materiais como panos, plásticos e cabelos, formam uma crosta que entope a tubulação. Por isso, o óleo deve ser separado e pode ser destinado para instituições ou pessoas que o utilize como matéria prima para fazer sabão e detergente. Os cabelos também não devem ser jogados em ralos, pias e vasos sanitários. E a orientação é para que cada imóvel tenha sua caixa de gordura e que os responsáveis façam manutenção e limpeza periódicas para evitar transtornos.

Água de chuva

A água da chuva e o esgoto doméstico nunca devem ser misturados. Cada um tem sua rede própria. A água da chuva deve ser canalizada para a tubulação de concreto, implantada pela prefeitura. É chamada de galeria de água pluvial. É nesta rede que estão as bocas de lobo, equipamento com grade, instaladas entre a rua e o meio-fio. Quando os moradores fazem ligações irregulares, ou seja, direcionam a água da chuva na rede da Sanepar, aumenta o volume dentro da rede, o que provoca extravasamento e refluxo do esgoto.

Vandalismo

A ação de vândalos também provoca danos ao sistema. Muitos casos de vazamentos e de entupimentos das redes são causados por pessoas que quebram as tubulações e jogam na rede diversos tipos de materiais, como pedras, areia e pedaços de madeiras. Vale lembrar que este tipo de ação se constitui como crime ambiental e deve ser enunciado aos órgãos competentes.

Vistorias

A Sanepar informa que realiza vistorias técnicas em imóveis para identificar onde o esgoto está sendo lançado e se não há irregularidade na ligação. Na vistoria, são utilizados corantes nas pias, ralos, vasos sanitários e nas calhas para facilitar a identificação de possíveis irregularidades. Os imóveis em que a ligação não estiver totalmente de acordo com o padrão são notificados e têm prazo para a regularização.