A Sanepar vai aplicar em Londrina, com recursos do PAC-Saneamento (entre 2009 e 2010), aproximadamente R$ 75,4 milhões em obras de saneamento. Com os demais recursos já garantidos, o valor total para o sistema Londrina-Cambé, nestes dois anos, ultrapassará R$ 110,1 milhões.

Entre as mais importantes estão a interligação dos poços do Sistema Guarani Norte e a construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Esperança, na região Sul da cidade. A meta é atingir 97% de cobertura com o serviço de esgotamento sanitário até o ano que vem.

Recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) chegam perto dos R$ 50 milhões e da Caixa somam mais de R$ 26 milhões. A partir destes valores são gerados 10.500 empregos, entre diretos e indiretos.

Parte do investimento já está beneficiando famílias dos jardins Planalto, Belle Ville, Pinheiros e Tokyo. Nesses bairros, a rede coletora de esgoto está em fase de testes e os imóveis já estão recebendo vistorias técnicas.

Equipes trabalham na educação socioambiental, dentro do programa “Se Ligue na Rede”, visando à interligação correta dos imóveis, com orientações sobre o que pode e o que não pode ser lançado no esgoto. No total, serão implantados em Londrina e Cambé 394 mil metros de rede coletora, 32,1 mil metros de interceptores e coletores tronco.

Para cumprir a meta de cobertura com a rede coletora de esgoto, além da expansão da rede estão previstas melhorias no sistema de tratamento. A Sanepar sustenta o compromisso socioambiental de não implantar a rede coletora sem que haja estrutura de porte compatível para tratar adequadamente o esgoto.

A construção da ETE Esperança, além de beneficiar – de imediato – quatro bairros da região Sul de Londrina, também irá atender 15 bairros de Cambé. A obra, que será executada em 24 meses, garantirá a desativação da ETE Castelo Branco.

Água

Até o final de 2009, os moradores da região Norte de Londrina devem receber água do Aqüífero Guarani. A obra de interligação dos poços do Sistema Guarani Norte nos reservatórios que abastecem a região sofreu atraso com as chuvas dos últimos dias, mas já foi retomada e está nas ruas Júlio Farinace Lahmann, Gessi Eugênio da Silva e na Avenida Saul Elkind, onde será implantada a maior parte dos 9,2 mil metros de tubulação.

Os dois poços do Aqüífero Guarani incrementarão em 10% a produção de água em Londrina, que hoje conta com captações de superfície no Ribeirão Cafezal e Rio Tibagi e 29 pequenos poços do Aqüífero Serra Geral.

Na região da Vila Nova, uma das mais antigas da cidade, segue acelerada a obra de substituição da rede de ferro fundido pela de PVC. Cerca de 65% da programação já foi executada, o que garante água livre da cor amarelada característica do arraste de material que fica incrustado nas paredes da tubulação. Ao todo serão implantados 36 mil metros da nova rede.