A Polícia Rodoviária Federal desencadeia a Operação Nossa Senhora Aparecida entre a zero hora de sexta-feira (09) até a meia-noite de segunda (12). Além do reforço na fiscalização habitual nos feriados prolongados, a PRF dará atenção especial ao uso do cinto de segurança, por passageiros de ônibus e ocupantes de carros de passeio, inclusive àqueles nos bancos traseiros, além de orientações quanto ao uso da cadeirinha para crianças.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT), em uma pesquisa feita com jovens, constatou que 74% dos entrevistados nunca usam cinto de segurança no banco de trás, e 15% usavam de vez em quando.

Somente 11% declararam que sempre usavam cinto quando viajavam atrás. Já nos ônibus, menos de 3% dos usuários aderem ao uso desta proteção, equipamento diminui em 75% a chance de ferimentos ou morte num acidente com ônibus.

O cinto de segurança só não é exigível para ônibus ou micro-ônibus fabricados antes de 1º de janeiro de 1999, ou naqueles em que os passageiros possam viajar em pé.

Para abordar o transporte de crianças de forma segura, Policiais Rodoviários Federais entregarão uma cartilha que foi desenvolvida junto com o Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride).

A cartilha fala sobre os documentos necessários para se viajar com crianças, além das formas corretas de transportá-las. A orientação sobre o uso das cadeiras e assentos especiais é uma preparação para a obrigatoriedade do seu uso, a partir do final de maio de 2010.

A Polícia Rodoviária Federal vai restringir o trânsito de veículos com excesso de largura, comprimento ou altura. Com a medida, nos horários de maior movimento, a ausência desses veículos de grande porte vai melhorar a trafegabilidade e diminuir os riscos de acidentes graves envolvendo carros de passeio.

Estudos da PRF mostram que em 2007 no Paraná dos 3162 acidentes com feridos, 26% (834) e dos acidentes com mortes – 109 dos 279 registrados – envolveram veículos de carga.

Esses acidentes, apesar de representarem menos de um terço do total, responderam por 40% das 348 mortes daquele ano. Outro número aponta que 62% das 138 mortes aconteceram em rodovias com pistas simples. Destas 86 mortes, 85 foi resultado de colisões de veículos de grande porte com automóveis ou motocicletas.

O motorista flagrado desrespeitando a restrição será enquadrado no artigo 187 do Código de Trânsito Brasileiro, que prevê multa de R$ 85,14, quatro pontos na carteira, mais a retenção até o término do período de proibição.