Curitiba venceu uma importante batalha no ano passado. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, graças ao Programa Mãe Curitibana, os casos de transmissão do vírus HIV de mãe para filho foram zerados. O sucesso da ação é o primeiro passo para reduzir o número de adolescentes soropositivos no futuro próximo.

Hoje, como reflexo da falta de controle na transmissão do vírus na década de noventa, há oficialmente registrados 269 casos de crianças e adolescentes portadores do HIV entre 0 e 18 anos. Através das secretarias municipal e estadual de saúde, é dada assistência para crianças até 12 anos. As com idade superior a esta que não possuem família, são enviadas a locais que atendem todo o tipo de caso de pessoas em situação de risco.

Pensando nesses adolescentes, várias organizações não-governamentais (ongs) têm direcionado projetos especialmente para esse público. Algumas dessas ongs participam até amanhã do 13.º. Encontro Nacional de ONG/Aids, que reúne 700 organizações de todo o Brasil para discutir, trocar experiências e definir prioridades e políticas públicas em HIV/Aids.

O Projeto Juventude Positiva, desenvolvido pelo Centro Paranaense da Cidadania, entrou em cena em abril deste ano é já é o ?xodó? da presidente da ONG, Megumi Tokudome. ?Nós trabalhamos várias áreas com os adolescentes soropositivos e a resposta tem sido ótima. Nosso principal objetivo é atingir a auto-estima deles?, diz. Além de noções de nutrição e educação sexual – as responsabilidades destes adolescentes deve ser redobrada -, também são tratados temas que visam a integração social. ?Estamos angariando parceiros para estender os trabalhos para atividades culturais e esportivas, atraentes para qualquer adolescente.?

O incentivo da organização vem também no incentivo à permanência nas escolas, para que os hoje adolescentes tornem-se adultos conscientes e formadores de opinião, constituindo-se em verdadeiros agentes contra o preconceito. ?Eles são jovens como outros quaisquer. Alguns têm 16 anos e nunca precisaram tomar remédio, já que possuem hábitos alimentares saudáveis?, diz Megumi. O site do programa é www.cepad.org.br.