A Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil está completando hoje quatro anos de existência. Para comemorar a data, a organização não governamental (ONG) promoveu, durante todo o dia de ontem, a despichação da Travessa da Lapa, no centro de Curitiba.

Muito visada por vândalos, a travessa tinha um total de 1,5 mil metros pichados. A limpeza foi feita com a utilização de cal, corante e água. “O material foi doado pela empresa Cal Gulin, de Almirante Tamandaré”, contou a coordenadora de projetos da associação, Estela Rohde. “Vamos cobrir o que foi pichado como solução imediata para acabar com o problema.”

Segundo Estela, os pichadores atuam, em média, seis vezes no mesmo local. Quando descobrem que em determinado ponto a despichação é realizada assim que os muros aparecem sujos, acabam desistindo de praticar a atividade. “A idéia é vencer os pichadores pelo cansaço. Para isso, vamos contar com o auxílio de zeladores de vizinhança, que na maioria são pessoas entre 45 e 50 anos de idade que estejam fora do mercado de trabalho. A função desses será realizar a despichação assim que os muros e paredes aparecerem novamente pichados”.

Estudantes

A atividade na Travessa da Lapa foi realizada com o auxílio de estudantes da sétima e da oitava séries do ensino fundamental da Escola Estadual Isolda Schmid, localizada no Hauer. Os adolescentes se prontificaram de forma voluntária a ajudar a associação. “A pichação é uma coisa ridícula. Nunca fiz isso e acho importante que os jovens se envolvam em iniciativas de combate à atividade”, disse o estudante da oitava série Lincoln Felipe Kroska, de 14 anos.