Foto: Ivan Bueno/SMCS
A Prefeitura de Curitiba está investindo R$ 121 milhões na primeira etapa da obra, que tem
9,4 quilômetros de extensão e
corta dez bairros.

As obras da Linha Verde completarão um ano neste sábado (12). A Linha Verde será o sexto corredor de transporte urbano de Curitiba e é a maior obra de infra-estrutura viária em andamento no Paraná. "Com esta obra proporcionamos mudanças significativas no transporte e na vida dos curitibanos. A rodovia, que antes era uma barreira, passará a unir e integrar os dois lados da cidade, permitindo o resgate da cidadania e melhoria da qualidade de vida de milhares de pessoas", afirma o prefeito Beto Richa, que na última quinta-feira (10) vistoriou o canteiro de obras.

A Prefeitura de Curitiba está investindo R$ 121 milhões na primeira etapa da obra, que tem 9,4 quilômetros de extensão e corta dez bairros, do Pinheirinho ao Jardim Botânico, no leito da antiga rodovia BR-116. Trinta ruas desses bairros estão recebendo melhorias, em um conjunto de obras que criou 2.300 empregos. A Linha Verde terá capacidade de tráfego para 100 mil veículos por dia, o dobro da antiga rodovia, o que evitará congestionamentos na nova avenida.

Uma pesquisa recente da Paraná Pesquisas apontou a Linha Verde como a segunda imagem mais forte de Curitiba em 2007, com quase 23,99% das indicações de 646 pessoas entrevistadas em dezembro. Quando estiver concluída, a Linha Verde terá quatro pistas, com dez faixas de tráfego, incluindo canaletas exclusivas para ônibus, com piso em concreto e que permitem ultrapassagens, reduzindo o tempo de viagem entre o Pinheirinho e o Centro de 35 para 25 minutos.

Um moderno sistema de semáforos de comunicação sem fio e um novo sistema de iluminação atenderão toda a extensão da Linha Verde. Nas laterais, haverá quatro pistas de cada lado – uma de acesso aos bairros e comércio local e três para o tráfego normal, com uma faixa de estacionamento de cada lado e ciclovia. Em pontos estratégicos, ao longo do eixo, serão construídas oito estações de embarque e desembarque de ônibus, com acesso aos bairros, por meio de linhas alimentadoras e binários de trânsito projetados e construídos para facilitar as travessias. Três trincheiras estão previstas para a Linha Verde; no cruzamento com a rua Gustavo Rattmann/José Zgodae nas proximidades da rua Francisco Albizú, entre Bacacheri e Bairro Alto, e na Estrada da Ribeira, no Atuba.

Binários

O primeiro trecho da obra tem financiamento parcial do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e integra o Programa de Transporte Urbano de Curitiba (PTU). Além da Linha Verde, o PTU é composto por quatro binários de trânsito, já entregues, e um trinário, formado pela avenida Marechal Floriano e as ruas Desembargador Westphalen e Anne Frank. A reforma da Marechal foi iniciada em dezembro de 2007, com investimento de R$ 13 milhões, recursos economizados na licitação da Linha Verde e dos binários. Juntas elas ampliarão a ligação entre os dois lados da cidade naquela região, desafogando o tráfego no viaduto sobre a antiga rodovia.

A ampliação de 600 metros da rua Anne Frank, no Hauer, que terá três faixas de mão única no sentido bairro/centro, até a rua Aluízio Finzeto, está pronta, aguardando a conclusão das obras da Linha Verde no local. A ampliação da Desembargador Westphalen, no Parolin, num trecho de 1.254 metros ligando-a com a rua Tenente Francisco Ferreira de Souza, no Hauer, orçada em R$ 2,6 milhões, está em licitação.