enkontra.com
Fechar busca

Paraná

Inchaço só nas ruas

Número de mendigos nas ruas de Curitiba cresce 60%

Trata-se de um aumento incomparável ao crescimento da população total de Curitiba

  • Por Giselle Ulbrich, Afp

A população de moradores de rua cresceu 60% em sete anos. Em 2008, o IBGE estimou que havia em Curitiba quase 2.800 moradores de rua. Em 2013, movimentos de lutas pelos direitos destas pessoas já falavam em 3.500. Dois anos depois, mais mil moradores de rua vieram engrossar a estatística. Aumento incomparável ao crescimento da população total de Curitiba, que, entre 2008 e 2014, não chegou a 2%.

A Fundação da Ação Social (FAS) estima que menos da metade da população de rua da capital seja de curitibanos. Apesar de a instituição aumentar o número de vagas (em torno de mil leitos) muitos abrigos acordam com camas vazias. Vinculados à fundação, são mantidos os Centros POP, que oferecem serviços aos moradores de rua, geralmente em horário comercial, como alimentação e banho, até a emissão de novos documentos (quando perdidos) e encaminhamentos para empregos.

Reclamação

Os moradores reclamam da burocracia e de violência física, visual, moral e sexual por parte de guardas municipais, funcionários ou dos próprios usuários dos abrigos. Dizem que são atentados à dignidade, que os fazem desistir da procura por camas quentes. Outra reclamação é que só consegue vaga nos albergues quem passa por um dos Centros POP. “Temos que frequentar todas as quartas-feiras e ficar lá no mínimo até meio-dia.

Depois disso geram uma lista com os nomes das pessoas que cumpriram esta etapa, para que entrem no abrigo à noite. Às vezes não te deixam entrar, só porque o funcionário não vai com a sua cara”, disse Vilmar Rodrigues, 46 anos, o “Paulista”.

“Também há fila das vagas avulsas, de quem não frequentam o Centro POP. Porém quase nenhuma delas consegue entrar, mesmo aquelas que já tinham cadastro na FAS e há anos usavam o espaço. No último dia 9, suspenderam as vagas avulsas. Pedi que não fizessem isso até acabar o inverno. Às vezes tem idosos ou doentes nas filas que ficam de fora.”, lamentou Vilmar.

Albergues distribuídos

A FAS nega que haja qualquer tipo de violência a este público. O assistente técnico da fundação Antônio Carlos Rocha explicou que, o antigo e único albergue da cidade, na Rua Conselheiro Laurindo, chegava a acolher mais de 400 pessoas em noites mais frias, e nem sempre se conseguia zelar pela dignidade dos albergados. “Por isso foi fechado e outros albergues menores, em várias partes da cidade, foram abertos, que somam mais vagas que o antigo”, completou.

Quanto ao que os moradores de rua chamam de burocracia, a FAS diz que são regras, necessárias não só para a manutenção da ordem, mas também para que os assistidos sejam corretamente encaminhados aos serviços que podem ajudá-los a sair das ruas. “Os moradores de rua não vão dizer que não querem mais dormir nos abrigos porque não conseguem usar álcool e drogas lá dentro. Preferem dizer que a culpa é da burocracia ou da violência dos guardas”, analisa Antônio.

Sopa pode ajudar na integração

Com a chegada do frio intenso, muitos grupos de amigos ou colegas de igreja se unem para distribuir lanches, sopas, cobertores e agasalhos. Apesar destas ações ser bem vindas nas noites mais geladas, diz a FAS, elas não devem se tornar frequentes. No entendimento da entidade, quanto mais “conforto” se dá a esta população (comida, roupa, cobertor, colchão, etc.), maior é o incentivo para permaneçam na rua. A FAS deve lançar, no próximo semestre, a campanha “antiesmola”, ensinado as pessoas como aju,dar esse público de forma correta.

Alguns grupos e entidades compreenderam que os moradores de rua também precisam de orientação e encaminhamento e se associaram à FAS. Um grupo de frequentadores da igreja Batista, em vez de servir sopa na rua, como faziam antes, atua dentro de um dos Centros POP, no Centro. A sopa servida lá dentro é chamariz para que os moradores de rua se aproximem e sejam convencidos a ser inseridos num dos serviços do POP. A ONG Toca de Assis faz trabalho parecido. Continua oferecendo sopas nas ruas, mas dando orientações e tentando levar os mais jovens para dentro dos abrigos.

OUTRO LADO
FAS contesta número, mas também não sabe
quantos moradores de rua existem na capital

A Fundação de Ação Social – FAS, contestou o número apresentado pela reportagem situando em 4,5 mil pessoas vivendo na rua. Este contingente é estimado pelos movimento sociais ouvidos pela reportagem. A nota contesta o dado da matéria que afirma que houve 60% do crescimento de moradores de rua da cidade num período de 7 anos.

De acordo com a FAS, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) não faz censo de moradores de rua. A nota cita um levantamento oficial feito pelo Ministério do Desenvolvimento Social de 2008 que fala em 2.776 pessoas em situação de rua vivendo em Curitiba naquele ano. Segundo a FAS, essa pesquisa faz uma distinção entre pessoas que fazem da rua sua moradia e de pessoas que estão na rua temporariamente, por razões como consumo de drogas e álcool, fuga da prisão, migração interna etc.

No entanto, a FAS não tem ideia de quantas pessoas estejam vivendo nas ruas de Curitiba. A entidade promete apresentar um levantamento sobre este público que faz das ruas da cidade a sua casa no segundo semestre deste ano.

O número com o qual a Prefeitura de Curitiba trabalha é o de atendimentos realizados por todos os equipamentos da FAS de atenção à população de rua (Centros POP, unidades de acolhimento e casas de passagem).

“Este número gira em torno de 3.300 atendimentos individuais por ano. Ainda assim, isso não significa que temos 3.300 pessoas vivendo nas ruas em Curitiba, porque o serviço da FAS é de porta aberta e muitos usuários desses equipamentos não se configuram exatamente como pessoas que fazem da rua sua moradia”, justifica a assessoria da FAS.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

1 Comentário em "Número de mendigos nas ruas de Curitiba cresce 60%"


José dos Santos Beirauti Beirauti
José dos Santos Beirauti Beirauti
4 anos 1 mês atrás

Eu acredito que tenha violência por parte dos funcionários da FAS. Quem é que não quer dormir em uma cama quente e tomar as suas refeições. É preciso que haja uma investigação ou alguém se fingir de morador de rua e aceitar o convite da FAS

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas