Curitiba está recebendo a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora do Rocio, oficializada pelo Vaticano como padroeira do Paraná no ano de 1977. Vinda do Santuário de Nossa Senhora do Rocio, em Paranaguá, no litoral do Estado, a imagem fica na cidade até o dia 9 de julho, percorrendo 143 paróquias, inclusive de municípios da região metropolitana.

A expectativa é de que a imagem seja vista por cerca de 300 mil fiéis. “A devoção à Nossa Senhora do Rocio teve início em 1648. Em 2005, demos início a um projeto de expansão da devoção, sendo que em 2007 começaram a ser realizadas peregrinações. Desde então, a imagem já passou por diversos municípios do Paraná”, conta o reitor do Santuário, padre Sérgio Campos.

Segundo o padre Provincial dos Redentoristas, Joaquim Parron, que foi reitor do Santuário de 2005 a 2007, além de despertar a fé, a peregrinação também faz um resgate histórico do Paraná. “A devoção se confunde com a história do Paraná. Tanto que o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) está realizando um estudo para transformá-la em patrimônio imaterial do Estado”, afirma.

No próximo mês de maio, duas outras imagens de Nossa Senhora do Rocio serão consagradas peregrinas e levadas para as dioceses de Cornélio Procópio e Paranavaí. Entre 15 de agosto e 12 de outubro, a peregrinação irá ocorrer na arquidiocese de Maringá. Na capital, a imagem peregrina está sendo conduzida pelo padre Luiz Langer.

História

No século XVII, a imagem de Nossa Senhora do Rocio foi encontrada por um pescador, conhecido como Berê, na baía de Paranaguá. No ano de 1686, os moradores de Paranaguá foram assolados por uma grande peste e recorreram à mãe de Jesus para que os livrassem da doença. A primeira igreja dedicada à Nossa Senhora do Rocio foi edificada em 1813, quando também aconteceu a primeira edição da festa do Rocio de Paranaguá. O atual santuário foi construído em 1920.