Os 1.098 servidores da Fundação da Universidade Federal do Paraná (Funpar) que trabalham no Hospital de Clínicas (HC) decidiram ontem, em assembleia, entrar em greve a partir de segunda-feira. A decisão foi tomada após a reitoria não apresentar nenhuma contraproposta em relação à oferta feita pela classe na semana passada.

Os servidores pedem 8,87% de reajuste salarial e vale-refeição de R$ 18,24 (R$ 3 a mais do que recebem hoje). Também estão contempladas as questões sociais, como estabilidade para os funcionários e a criação de comissão de acompanhamento da transposição de cargos no HC.

Segundo Márcio Palmares, diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Terceiro Grau Público (Sinditest/PR), a categoria ainda aguarda até sexta-feira oferta da reitoria. “O indicativo de greve está aprovado, mas vamos aguardar nos próximos dias se vai haver a contraproposta. Caso contrário, teremos greve”. Se confirmada, a paralisação dos funcionários da Funpar no HC afetará os serviços de manutenção, portaria, laboratórios e alguns setores da enfermagem.

Mobilização

Os médicos do HC entram hoje no terceiro dia da paralisação, inicialmente programada para durar até amanhã, em protesto contra o corte de 50% dos salários a partir da Medida Provisória 568/12. Mas não está descartada a possibilidade da greve se estender por mais dias, informa Bernardo Pilotto, diretor do Sinditest/PR. “No HC, só os residentes não vão parar”, comenta.

Hoje, às 9h, no pátio da reitoria, haverá mobilização conjunta dos servidores administrativos, docentes e estudantes da UFPR para avaliar os problemas da universidade. Os demais técnicos votam amanhã, em assembleia, se vão mesmo cruzar os braços a partir de 11 de junho.