Foto: Anderson Tozato

Maestro Paulo Torres e sua filha, Daniella Pereira: emoção e tranqüilidade.

Do quarto do hospital, o paciente ouve o som de música clássica erudita e sacra que começa a se aproximar. A curiosidade despertada dá lugar à tranqüilidade e à emoção, que muitas vezes não se consegue controlar. Essa nova rotina foi incorporada no último mês pelos pacientes do Hospital Pilar (HP), em Curitiba.

Uma vez por semana, o maestro Paulo Torres e sua filha, Daniella Pereira, percorrem quartos e corredores do hospital com violino e teclado, levando um novo ânimo aos pacientes. Muitos se reúnem no corredor, junto com seus familiares, e se esforçam para aplaudir. Emocionada, a paciente Elizabete Oliveira Santos, de 54 anos, aprovou a visita. ?Isolados do mundo lá de fora, essa disponibilidade faz com que voltemos para dentro de nós mesmos. É um verdadeiro presente?, afirmou. A opinião é compartilhada por outra paciente, Jolanda Scroch, de 50 anos. ?Para nós, que ficamos aqui, tensos com a doença, a visita traz tranqüilidade. Precisamos de estímulos e a música levanta nosso astral?, completou Jolanda, internada desde sábado passado.

O projeto Música no Hospital começou em outubro, por iniciativa da diretora do HP, Milva Milano. ?Observamos que, com a música, mesmo pacientes em situação de extrema fragilidade ou até em coma demonstram uma mudança, se sentem ainda ligados a alguma outra coisa?, relatou.

Paulo Torres, maestro adjunto da Orquestra Sinfônica do Paraná, resolveu aplicar a idéia que ele viu prosperar em outros países, como nos Estados Unidos.