Uma mulher grávida de dois meses ficou gravemente ferida em um acidente na noite desta sexta-feira (13). Por volta das 19h, a mulher seguia na Estrada da Ribeira, quando no quilômetro 105, bateu de frente em outro carro. Com o impacto, a mulher, que segundo socorristas do Siate, estava sem cinto de segurança, quebrou o parabrisa do veículo.

O impacto da batida chamou atenção dos socorristas, que contaram que a mulher chegou a marcar a lataria de um dos veículos. “Por estar sem cinto, assim que bateu, a mulher voou pelo volante do carro e quebrou, com a cabeça, o parabrisa. Foi muito feio mesmo”, disse o sargento Jesus, do Siate.

A mulher, identificada como Elizabeth Rocio de Faria, 41 anos, teve lesão na barriga, na cabeça, na coluna cervical, além de uma fratura fechada de fêmur na perna esquerda e um corte no joelho direito. “No caminho ao Hospital do Trabalhador, em Curitiba, ela contou que estava grávida de dois meses, o que nos deixou ainda mais preocupados”, contou o sargento. Ela foi encaminhada em estado grave.

O motorista do outro veículo, que foi atingido pelo carro de Elizabeth, teve ferimentos considerados leves e não foi encaminhado ao hospital. “Ele se feriu um pouco no braço, por causa do airbag, mas nada grave. Estava bem e conseguiu contar como foi o acidente”, explicou o socorrista.

Segundo os socorristas, a motorista seguia sentido Bocaiúva do Sul e o outro motorista sentido Colombo. “Não se sabe o motivo, mas ela perdeu o controle, invadiu a pista contrária e bateu em cheio no carro”.

Alerta

O sargento Jesus, socorrista do Siate há mais de 30 anos, explicou e voltou a fazer o antigo alerta de que o cinto de segurança salva vidas. “Neste caso, por exemplo, se ela estivesse com o cinto, não teria acontecido nem metade do que aconteceu com ela”, disse.

Segundo o sargento, o cinto de segurança reduz e muito que mortes aconteçam. “Todos devem usar e saber que a nossa vida é muito importante para não pensarmos nos pequenos detalhes”.   

Campanha

Nesta sexta-feira (13) a Sociedade Brasileira de Ortopedia deu início a campanha “Carnaval sem trauma”, que incentiva o uso do cinto de segurança. O uso do cinto é obrigatório para todo mundo, para quem senta na frente ou atrás do carro. Nos casos de quem vai atrás, pode reduzir e muito o risco de o passageiro morrer.

Campanha orienta uso de cinto de segurança. Foto: Reprodução/Rede Globo.

Segundo dados da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego, divulgados pelo Jornal Hoje, da Rede Globo, o uso do cinto de segurança no banco da frente pode reduzir em 45% o risco de mortes em acidentes de trânsito. Já no banco de trás, essa redução é bem maior e pode chegar a 75%.

Apesar de todos os motoristas e, inclusive, passageiros saberem da obrigatoriedade do uso do cinto de segurança, a Polícia Rodoviária Federal multou 232 mil motoristas no ano passado, porque eles ou os caronas estavam sem o equipamento. De acordo com a Sociedade Brasileira de Ortopedia, 92% dos passageiros não usam o cinto. Se o passageiro for flagrado sem cinto, a multa vai para o motorista do carro. O valor é R$ 127.