enkontra.com
Fechar busca

Paraná

Vidas ameaçadas

MPF tomará medidas judiciais se profissionais não voltarem ao trabalho no HC

Setor superou dificuldades e conseguiu fazer transplante vital em criança

  • Por Joyce Carvalho E Magaléa Mazziotti

Em meio às dificuldades com a greve de servidores, o Hospital de Clínicas teve momento especial no setor de Transplante de Medula Óssea (TMO). A área é uma das mais afetadas pela paralisação, desde 11 de junho, mas conseguiu realizar o transplante que pode salvar a vida de João Vitor, de um ano e meio, portador de doença rara de imunodeficiência congênita. Ele recebeu ontem o sangue de um cordão umbilical, a partir da doação vinda do exterior.

O material estava há dois meses no hospital. O transplante foi adiado três vezes por causa da greve, conta a avó da criança, Luciana Aparecida Anchau, de Florianópolis. “É muita emoção porque quase perdemos João Vitor”, conta. Ele teve complicações sérias enquanto esperava o transplante. A equipe médica informa que a criança tem mais de 90% de chances de cura.

Prazo

O Ministério Público Federal (MPF) estipulou prazo até hoje para que o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Terceiro Grau Público de Curitiba, Região Metropolitana e Litoral do Paraná (Sinditest) indique sete profissionais para trabalhar no TMO. Esta é a quantidade de servidores em greve no setor. O remanejamento vai ocorrer com servidores de outras áreas. O MPF já anunciou que, se o pedido não for atendido, pode adotar medidas judiciais. A direção do HC aguardava a indicação dos profissionais. Com a greve, o setor de transplante de medula óssea está com apenas oito leitos disponíveis.

Antes da greve, o setor oferecia 14 leitos da capacidade total de 23 lugares. Isto porque estava em andamento o treinamento de novos profissionais. “Há fila de pessoas já com doadores identificados de 34 adultos e 25 crianças. Estas pessoas correm risco, inclusive de vida”, alerta Vaneuza Funke, responsável técnica pelo setor de transplante de medula óssea adulto. O setor realizou sete transplantes em junho, quatro em julho e três neste mês. A média mensal, sem a greve, é de oito intervenções.

Leitos estão bloqueados

Segundo Márcio Palmares, diretor do Sinditest, o sindicato já havia recomendado ao HC mudança na escala para ampliar o número de leitos. “Vamos apresentar ao ministério a sugestão de escala que aumenta a oferta para mais seis leitos, totalizando os 14 exigidos. São 47 pessoas no setor, dá para adequar o atendimento com a nova escala, o que não foi feito pela direção do hospital”, explicou.

Além do TMO, a greve de enfermeiros e técnicos de laboratório e raios-x está afetando o setor de urgência e emergência. De acordo com o HC, por causa da greve estão bloqueados quatro dos 14 leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), seis dos 16 leitos da Unidade de Terapia Semi-Intensiva e dez dos 25 leitos da UTI Neonatal. Desde o início da greve, quase 29 mil pacientes não foram atendidos com exames laboratoriais e de imagem. E isto impactou as consultas eletivas. São 19.917 que não puderam ser realizadas pela falta dos exames. O HC informa que estão em greve 300 dos 1,9 mil servidores do quadro próprio da UFPR. Há ainda outros 1,2 mil funcionários contratados por meio da Fundação da Universidade Federal (Funpar).

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

1 Comentário em "MPF tomará medidas judiciais se profissionais não voltarem ao trabalho no HC"


Eng Carlos
Eng Carlos
6 anos 11 meses atrás

Tem que privatizar !! Fazer esse povo bater o ponto igual aos demais trabalhadores!! Governo da muita folga !

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas