Morreu neste sábado (29), em Curitiba, aos 71 anos, o professor e economista Belmiro Valverde Jobim Castor. Ele sofreu um mal súbito em casa.

Nascido em Juiz de Fora, Minas Gerais, em 1942, mudou-se com seus pais, ainda criança, para Rio Negro, no interior do Paraná. Formou-se bacharel em Direito em 1964, pela então Universidade do Estado da Guanabara, e possuia PhD em Administração Pública pela University of Southern California.

Foi Secretário de Estado do Planejamento do Paraná entre 1974 e 1979 e novamente entre 1983 e 1987. Também atuou como Secretário de Estado da Educação do Paraná entre 1987 e 1988. Entre o final dos anos 1980 e o início dos anos 1990 foi diretor do Banco Bamerindus. Valverde fez parte do Conselho Curador da Universidade Federal do Paraná (UFPR) entre 2002 e 2004 e fazia parte do Conselho Superior da Associação Comercial do Paraná desde 2004.

Valverde publicou seis livros. Entre eles “O Brasil não é para Amadores: Estado, Governo e Burocracia na Terra do Jeitinho”, que foi traduzido para o inglês e lançado nos Estados Unidos. No campo acadêmico, Valverde foi professor da UFPR de 1971 a 2004 e, atualmente, lecionava na Universidade Positivo e na FAE Business School, além de ser convidado frequente em outras universidades.

Entre suas outras atividades, Valverde também era presidente da Associação dos Amigos do Arquivo Público do Paraná, Vice-Presidente da Associação Alirio Pfiffer de Apoio ao Transplante de Medula Óssea do Hospital de Clínicas (HC), Vice-Presidente do Instituto Ciência e Fé de Curitiba e também membro da Academia Paranaense de Letras.

Valverde também era colunista do jornal Gazeta do Povo e da rádio CBN Curitiba. Ele era casado com Thereza Elizabeth Bettega Castor, com quem teve duas filhas, Adriana e Carolina.

O velório ocorrerá na capela 4 do cemitério Água Verde, a partir das 11h da manhã, em Curitiba. O sepultamento está marcado para as 16 horas de segunda-feira.