O Ministério Público do Paraná, por meio do Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Cidadania, firmou ontem um termo aditivo de ajuste de conduta com as secretarias municipais de Finanças e de Saúde, a Procuradoria do Município de Curitiba e o interventor da Associação Saza Lattes de Proteção à Maternidade e à Infância, para que a entidade continue funcionando pelo menos até dezembro deste ano.

A associação filantrópica presta atendimento médico a pessoas carentes, contando com 215 funcionários, 11 postos de saúde e três creches. Essa estrutura viabiliza atendimento a 13 mil pessoas por mês e a 400 crianças, assistidas pelas três creches. Por falta de recursos, no entanto, a entidade estava prestes a fechar as portas, causando grande prejuízo social.

Com o aditivo firmado, a associação poderá funcionar pelos próximos sete meses, submetendo toda contabilidade à auditoria do MP. Para isso, a Prefeitura comprometeu-se a repassar verbas regulares a fim de garantir a prestação de serviços pela entidade. Uma campanha para angariar recursos também deverá ser viabilizada, para mobilizar a população: “Mesmo com o apoio dos órgãos públicos, a associação precisará da ajuda da comunidade, sob pena de fechar depois de dezembro”, afirma o promotor de justiça Marcello Augusto Cleto Melluso, que atua no Centro de Apoio da Cidadania.

Administração

Até 16 de junho, Carlos Raul Eisfeld Júnior, interventor indicado pelo MP para atuar junto à Saza Lattes, continuará administrando a instituição. A partir dessa data, deverá assumir uma nova diretoria, eleita pelos funcionários da associação.