enkontra.com
Fechar busca

Paraná

Mãe de criança com autismo não consegue internar filho

Há dois anos a criança sofre com várias crises fortes de agressividade

  • Por Elaine Felchacka

A saga de Luciane Ferreira de Oliveira para conseguir internar o filho de 12 anos, que tem autismo e há dois tem crises fortes de agressividade, ainda não acabou. A mãe continua a peregrinação pelo Centro de Atendimento Psicossocial e Unidades Municipais de Saúde 24 horas e hospitais.

Depois de enfrentar 8 horas de viagem entre a noite de segunda-feira e madrugada de ontem, Luciane teve negado o internamento do filho em hospital de União da Vitória. Foi na cidade na divisa com Santa Catarina que a Secretaria Municipal da Saúde conseguiu vaga para o menino. Mas o hospital, alegando não ter condições para atender o caso quando se deparou com o menino, dispensou o paciente.

“Nunca passei tanto medo na minha vida. Viajei com ele em crise na ambulância do Samu. A mãe não consegue voltar para a casa desde segunda-feira. No final da tarde de ontem, a secretaria conseguiu vaga no Hospital Infantil Waldemar Monastier, em Campo Largo, mas para a manhã de hoje. A noite do menino e da mãe foi no CAPS Centro Vida.

Tratamento

Mesmo Luciane e o filho tendo sido dispensados do mesmo estabelecimento na segunda-feira, a Secretaria da Saúde assegura que o menino terá tratamento e tudo está acertado com o hospital. A justificativa para a demora no internamento é a falta de leitos infantis e juvenis. São cinco leitos na cidade. Porém, a capacidade de atendimento deve ser ampliada nos próximos meses. Até a primeira quinzena de fevereiro, a prefeitura encerra a reavaliação da rede de saúde mental para buscar a ampliação do número de leitos.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

1 Comentário em "Mãe de criança com autismo não consegue internar filho"


Leandra
Leandra
10 meses 14 dias atrás

porcaria, aqui em união da vitoria não tem nenhum bendito neuropediatra ou psquiatra infantil oi piscologo infantil, nada, só pra adultos, e tem muitas crianças com autismo nessas cidades gemeas, o meu filho inclusive, que não em uma porcaria de laudo definido por não ter atendimento certo.

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas