Quem costuma se banhar nas praias do Paraná deve tomar cuidado com as águas-vivas, animais que provocam queimaduras na pele. Em apenas um dia da semana passada (segunda-feira), os guarda-vidas registraram 185 acidentes. Desde o começo da temporada, o número de casos já passa de 400 no litoral do Paraná.

A água-viva, também conhecida como medusa ou mãe d’água, é um animal marinho com células urticantes em suas coroas. Essas células em contato com a pele humana causa queimaduras porque possuem substância tóxica, chamada de nematocisto.

De acordo com os bombeiros, ao sentir a queimadura a recomendação é lavar o local afetado com água do mar mesmo (não usar água doce, pois a toxina pode se espalhar). Outra orientação é lavar com soro fisiológico ou vinagre. Evitar sol no local afetado também é uma boa dica para não piorar a situação, segundo os bombeiros.

Atendimento

Nos postos de guarda-vidas há vinagre para atendimento emergencial de quem se queima com água-viva. Porém, os bombeiros recomendam que se a situação se agravar, se os primeiros-socorros não adiantarem, o ideal é procurar atendimento médico.

Os 185 casos registrados em apenas um dia ocorreram nos balneários de Ipanema, Praia de Leste e Shangri-lá, todos em Pontal do Paraná. Porém, vários casos também já ocorreram em Matinhos.