O projeto "Cinturão da Boa Vizinhança", que visa fazer com que a capital tenha um melhor relacionamento com os nove municípios que lhe fazem fronteira, deve ser o carro-chefe do Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba) pelos próximos quatro anos. Nele, estão previstas ações de preservação ambiental e atendimento ao cidadão.

Segundo o novo presidente do instituto, o arquiteto e urbanista Clodualdo Pinheiro Júnior – que assumiu o cargo no lugar de Luiz Masaru Hayakawa – as cidades tendem a crescer em direção às suas periferias, gerando um empobrecimento destes locais. Como Curitiba é cercada de rios, uma das primeiras iniciativas do "Cinturão da Boa Vizinhança" será a recomposição de faixas de preservação de 30 a 50 metros ao longo das margens. "Muitas dessas áreas são vítimas de invasões. A idéia é, em parceria com a Cohab (Companhia de Habitação), relocar as famílias e promover a preservação", afirma.

Capital e municípios da região metropolitana possuem problemas em comum nas áreas de saúde e educação. Atualmente, devido a algumas deficiências, moradores de municípios vizinhos acabam utilizando as unidades de saúde, creches e escolas de Curitiba. Para que os sistemas não fiquem sobrecarregados e o atendimento deixe de ser eficiente, o projeto também prevê a construção, em parceria com as prefeituras dos municípios vizinhos, de estruturas em comum, que possam ser utilizadas tanto pela população curitibana quanto pelas comunidades vizinhas.

Outros projetos

Até 2008, o Ippuc também deve trabalhar em outros sete projetos prioritários: "Curitiba do Futuro", "Se Lig@ Curitiba", "Tecnoparque", "Moro Aqui", "Perto de Você", "Circulação" e "Marco Zero". Todos eles devem ser discutidos com a população, estar inseridos dentro da meta de transformar Curitiba em uma grande metrópole (através da integração com os municípios vizinhos) e utilizados como mecanismos de melhor apropriação do curitibano em seu espaço público.

O "Curitiba do Futuro" é um projeto de adensamento que prevê a realização de um estudo para implantação de um centro financeiro – "com possibilidades de desenvolvimento de inovações tecnológicas e conseqüente desenvolvimento econômico" – em área compreendida entre o setor estrutural sul, norte e Eixo Metropolitano. O "Se Lig@ Curitiba" visa a criação de um megaportal onde as pessoas possam obter informações sobre como se deslocar de um lugar a outro dentro da cidade, saúde, educação, economia e ofertas de emprego. A expectativa é de que o portal seja lançado no próximo dia primeiro de dezembro, quando o Ippuc estará completando 40 anos de existência.

Criar um parque tecnológico na região leste da capital, envolvendo a participação dos setores tecnológico, acadêmico, institucional, empresarial e governamental é a proposta do "Tecnoparque", que tem como intenção transformar Curitiba em um centro de excelência em tecnologia. Em parceria com a Cohab, o "Moro Aqui" será dotado de ações de relocação e regularização fundiária. Ele engloba o programa "Ordenança", através do qual universitários (das áreas de sociologia, urbanismo, entre outras) irão entrar nas casas das pessoas de baixa renda e procurar reorganizar os espaços internos de moradia".

Nascido de uma necessidade de Beto Richa de promover uma maior aproximação entre Prefeitura e comunidade, o "Perto de Você" objetiva a resolução de pequenos problemas existentes na cidade, como necessidade de cortes de galhos de árvores ou de asfaltamento de ruas. "Cerca de trezentos problemas já foram identificados e, dentro de uma hierarquia, devem vir a ser resolvidos." O "Circulação" prevê ações voltadas a pedestres, como revisões de calçadas; veículos, como criação de dois grandes anéis viários binários dentro da cidade, sendo que o primeiro irá passar pelos bairros Batel, Rebouças, Alto da XV, Cabral, Bom Retiro, Mercês e Champagnat; e transporte coletivo, com modernização do eixo norte-sul.

Já o "Marco Zero" será voltado ao centro da cidade, incluindo ações de valorização da Praça Santos Andrade, retirada do terminal de ônibus Guadalupe para criação de espaço para eventos e instalação de pocket parks (parques de bolso), pequenos espaços que servirão de ponto de encontro da população e terão microclimas definidos: aquecimento no inverno e resfriamento no verão.