O Hospital do Idoso Zilda Arns e a Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba (Feaes) estão completando dois anos de funcionamento, comemorados na manhã desta quarta-feira (26), em um evento no auditório do hospital, com a presença de funcionários, conselheiros de saúde, representantes de instituições de saúde de Curitiba e da comunidade.

O Zilda Arns, inaugurado em 29 de março de 2012, data do aniversário de Curitiba, foi a primeira unidade gerenciada pela Feaes, que gerencia também a Maternidade Bairro Novo; o Serviço de Atendimento Domiciliar; os serviços médicos e de nutrição das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e Serviços de Atendimento Médico de Urgências (Samu); além dos Centros de Atendimento Psicossocial (Caps) Bairro Novo, Cajuru, Pinheirinho e Portão.

Hospital

Nesses dois anos, o Hospital do Idoso ampliou o número de atendimentos e melhorou os índices de qualidade do serviço prestado. Entre 2012 e 2013, o percentual de internações cresceu 56%. O número de cirurgias, comparando o segundo semestre de cada ano, aumentou 307%.

A média de idade dos pacientes é de 75 anos; que 27% dos atendidos têm entre 80 e 100 anos.“O perfil clínico do paciente é mais complexo, mas, mesmo assim, o Hospital do Idoso tem apresentado excelentes indicadores”, analisa o diretor executivo, André Rodrigues Martim Neto.

O índice de quedas, que costuma ser elevado em idosos, está em 0,1% frente à meta de 2%. Já o índice de reinternação é de 1%, o que representa um terço da meta. 

Atualmente, o hospital presta atendimento em 17 especialidades médicas, entre elas geriatria, a cirurgia torácica e vascular. Para os próximos anos, o Hospital do Idoso deve incluir novas especialidades de atendimento. “O objetivo é aumentar a vocação em áreas de doenças prevalentes no idoso, como ortopedia e acidente vascular cerebral”, disse o diretor da Feaes, Gustavo Justo Schulz.

O Hospital do Idoso tem 123 leitos distribuídos entre enfermarias, quartos de isolamento, leitos de UTI, observação, emergência e recuperação pós-anestésica. Os pacientes são encaminhados via Central de Leitos.