Os trabalhadores do Complexo Industrial da Fosfertil em Araucária, maior fabricante de fertilizantes do Brasil, decidiram paralisar a produção a partir desta noite. A decisão foi ratificada nesta segunda-feira (14) depois de reunião realizada com a fabricante nesta tarde na Delegacia Regional de Trabalho, em Curitiba. Os funcionários pedem aumento real de 5% nos salários, a elaboração de um novo plano de cargos e salários e adoção de um plano de méritos para o trabalhador que leve em conta o tempo de serviço.

"Vamos paralisar as atividades a partir do turno da noite de hoje, que começa às 23 horas", afirmou Otemio Garcia de Lima, dirigente do Sindiquímica-PR, que representa os trabalhadores petroquímicos do Estado. "Nos cargos de nível médio e de chefia é mais difícil convencer os trabalhadores, mas entre os cargos operacionais e executantes da fábrica esperamos uma adesão de 95%", calcula Lima.

Segundo o dirigente, a Fosfertil cortou os benefícios de trabalhadores durante os anos de crise do setor agrícola, mas agora o cenário é diferente. "No terceiro trimestre do ano passado, a Fosfertil anunciou lucro de 140% até setembro. Queremos um aumento condizente com o bom momento que a empresa vive", afirma. Lima informou que a proposta da empresa para aumento salarial é de 1,78%.

Ainda de acordo com o sindicalista, a produção diária da Fosfértil é de 1.200 toneladas de amônia e 2 mil toneladas de uréia. No último balanço divulgado, a empresa anunciou lucro líquido de R$ 367,8 milhões até setembro de 2007, aumento de 140% sobre igual período do ano anterior.