A Força Sindical do Paraná, que representa quase 120 entidades sindicais no Estado, vai entrar na Justiça pedindo o pagamento de benefícios para os trabalhadores que estão na fila do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), à espera da primeira perícia médica. Cerca de 20 mil trabalhadores estariam sem receber o benefício por conta da paralisação, segundo estimativa da Força Sindical. A superintendência do INSS em Curitiba não confirmou esse número. A greve dos médicos peritos começou no último dia 3 de dezembro e não há previsão de quando deve terminar.

“Os trabalhadores não podem ficar indefinidamente sem receber o benefício. Eles têm água para pagar, luz, e não podem continuar nessa situação”, alegou o presidente da Força Sindical, Sérgio Butka. Segundo ele, haverá panfletagem nos postos do INSS a partir de hoje, informando sobre a ação judicial. “Nosso objetivo é dar apoio aos trabalhadores que estão há 60, 90 dias sem receber do INSS”, explicou.

Segundo o advogado Luiz Carlos da Rocha da Força Sindical, será ingressado ação de mandado de segurança com pedido de liminar na Justiça Federal. O trabalhador não terá custo algum. Os documentos necessários são atestado do médico particular, protocolo de pedido de benefício, além de documentos pessoais, como RG e CPF. “Vamos pedir que o INSS pague o benefício mediante atestado de médico particular, já que os médicos peritos estão em greve”, explicou o advogado.

O presidente da Força Sindical salientou que não é contra a greve dos médicos. Mas ressaltou que os trabalhadores não podem ficar à mercê do impasse entre os médicos peritos e o governo federal. “O movimento dos peritos é legítimo, mas a Previdência tem que resolver os problemas dos trabalhadores”, reforçou. Butka solicitou ainda que as pessoas entrem com ação o quanto antes.

INSS

Segundo a assessoria de imprensa da superintendência do INSS, em Curitiba, não existe estimativa do número de trabalhadores na fila, à espera da primeira perícia médica. A assessoria informou ainda que esses casos são prioritários e as consultas são agendadas para um prazo de trinta dias. Em todo o Paraná, são solicitados por mês cerca de 10 mil benefícios de auxílio-doença e concedidos entre 7 mil e 7,5 mil

Serviço: Maiores informações sobre a ação judicial podem ser obtidas na Força Sindical. Rua Lamenha Lins, 981, Rebouças, Curitiba. Atendimento de segunda a sexta, das 8h às 18h. Fone (41) 219-6400.

Negociação pode recomeçar

As chances são boas em relação a um possível acordo entre o governo federal e os médicos peritos do INSS, em greve desde o dia 3 de dezembro. A expectativa é do médico perito Alexander Kutassy, que faz parte do movimento grevista. “As perspectivas melhoraram muito desde que assumiu o novo ministro da Previdência”, comentou o médico, referindo-se ao ministro Amir Lando, que recentemente assumiu a pasta.

Segundo Kutassy, a reivindicação principal é a implantação do Plano de Cargos, Carreira e Salários, além da realização de concurso público. A maioria dos médicos peritos que atuam hoje foi aprovada no concurso de 1976. “Tivemos quase um quarto de século de paciência”, afirmou. Há cerca de 2,4 mil médicos peritos em todo o país. O salário médio é de R$ 1,2 mil em 20 horas semanais.