Foto: Lucimar do Carmo/O Estado

Anualmente grupo passa 24 horas ao som das músicas do ídolo.

Próximo ao aniversário da morte do cantor e compositor Raul Seixas, como acontece todos os anos, um grupo animado de amigos se reúne, com a proposta de passar 24 horas escutando, tocando e cantando as canções do ídolo, que fez história nos anos 70s e 80s e faleceu em 21 de agosto de 1989. Este ano, o encontro aconteceu no bairro São Braz e enquanto a carne assava na churrasqueira, o som tocava músicas como Metamorfose ambulante e Maluco beleza.

A tradição começou em 1999, quando se completaram 10 anos da morte de Raul e a cada ano ganha novos adeptos. ?Começamos com sete pessoas. Hoje vamos reunir mais de 40?, disse José Carlos Capelari, comandante da turma. O espírito que reúne os fãs de Raul é baseado na filosofia propalada por ele, conhecido como um revolucionário na época em que o regime militar ditava as ordens no Brasil. O amor de Capelari por Raul é tão grande que já virou herança dos filhos, que também participam ativamente do encontro. ?Em vez de canções de ninar, eles ouviam Raul. Vem de berço?, brinca.

Já Marcelo Santos, curiosamente, passou a curtir Raul Seixas no dia da morte do cantor, quando viu um amigo chorando a perda. ?Passei a entender o que ele simbolizava, comecei a ouvir e não parei mais.? Para Santos, o que mais atrai no compositor é o espírito libertário. Um dos últimos adeptos do encontro, Fabiano Cardoso, o Batata, trouxe também as idéias do fã-clube criado em 1990, chamado Geração Alternativa.