Uma família de Piraquara está sofrendo com interrupção da busca por um leito especializado por parte de um hospital da cidade. O estado de saúde de Maria Aparecida Martins, 65 anos, já se agravou e ela ainda não conseguiu uma simples hemodiálise. Maria está há dez dias internada na Clínica Médica Cirúrgica de Piraquara, também conhecida como Hospital de Piraquara, com insuficiência renal crônica.

A doméstica Aparecida Martins da Silva, 45 anos, filha da paciente, explicou que no início do ano sua mãe machucou a perna. Por conta da diabetes, a ferida se agravou e Maria precisou de uma limpeza cirúrgica. Depois disto, o estado de saúde da paciente se complicou. Ela parou de comer e até de falar e, através de exames, os médicos do hospital detectaram que ela estava com anemia e insuficiência renal.

Por isto ela ficou 11 dias internada no local, mas tratou apenas a anemia e recebeu alta, já que apresentou melhora. O tratamento da insuficiência renal ficou na espera de um especialista (nefrologista) e uma hemodiálise. Segundo a filha, a Secretaria Municipal de Saúde de Piraquara é que ficou de conseguir a vaga em algum hospital, o de Clínicas, em Curitiba, ou o Angelina Caron, em Campina Grande do Sul, onde há nefrologistas e leitos que atendem esta demanda.

Mas durante os 15 dias que ficou em casa esperando, o estado de Maria piorou de novo e ela voltou a ser internada no mesmo hospital, onde está desde segunda-feira da semana passada. Segundo a filha, a paciente só piora e os rins já estão quase parados. Maria não consegue comer e o leito para hemodiálise ainda não apareceu. “Vou quase todo dia lá perguntar se já conseguiram. Me falam que estão tentando, que vão conseguir, que vão me ligar de volta avisando, mas até agora ninguém me dá uma certeza de que tem vaga. Minha mãe já não consegue nem tomar água mais”, desespera-se Aparecida.

Por que parou?

Tanto a Secretaria Municipal de Saúde de Piraquara, quanto a de Curitiba (que administra a Central de Leitos em conjunto com a Secretaria Estadual de Saúde), deram a mesma resposta, de que é o hospital onde Maria está internada que deixou de buscar o leito especializado para a paciente. Segundo a Secretaria de Curitiba, o hospital deu entrada no pedido de hemodiálise para Maria no dia 3, terça-feira da semana passada. É obrigação de quem solicita a vaga de atualizar o pedido diariamente, para mostrar que ainda há o interesse. Quando este pedido deixa de ser atualizado a cada 24 horas, a Central de Leitos entende que o paciente não precisa mais daquela vaga.

No caso de Maria, diz a Secretaria de Curitiba, o último pedido de hemodiálise feito pelo Hospital de Piraquara foi na sexta-feira, às 10h40. Desde então, nenhuma atualização mais foi feita.

Sem resposta

O Hospital de Piraquara foi procurado para se pronunciar sobre a interrupção. A Tribuna telefonou para lá às 16h45 de ontem. A telefonista informou que a clínica não tem assessoria de imprensa e as únicas pessoas que poderiam conversar com a reportagem eram os membros da diretoria. No entanto, naquele horário, já não havia mais nenhum diretor no local.