Avaliar a capacidade reprodutiva dos peixes sob a influência do nível dos reservatórios Santiago e Osório, no Rio Iguaçu, região sudoeste do Paraná. Esse é o próximo passo do Grupo de Pesquisas em Recursos Pesqueiros e Limnologia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), que já vem desenvolvendo um trabalho de monitoramento dos peixes e das condições da água dos reservatórios há quatro anos.

O professor de Engenharia e Pesca da Unioeste e coordenador do projeto, Gilmar Baumgartner, explica que o trabalho de análise da reprodução dos peixes vai começar em outubro, quando eles iniciam a atividade. Os resultados só poderão ser vistos em pelo menos cinco anos. ?O trabalho é demorado porque teremos que esperar as variações de nível dos reservatórios?, explicou o professor.

Já com relação ao trabalho desenvolvido anteriormente, que acompanha os hábitos e o crescimento dos peixes, o professor tem boas notícias: os técnicos verificaram que a quantidade de pesca experimental não diminuiu, o que indica que a presença das usinas não atrapalha o desenvolvimento.