Foto: Daniel Derevecki

Restaurante Universitário voltou a funcionar ontem.

Mesmo com a confirmação da adesão da Universidade Federal do Paraná (UFPR) ao Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), os estudantes que ocupam a reitoria, desde o último dia 17, não deixaram o prédio. Ontem à noite, estava prevista a realização de mais uma assembléia para decidir quais os rumos do movimento, já que a realização do plebiscito, exigência dos estudantes, foi rejeitada pelo Conselho Universitário (Coun).

Um dos participantes do movimento de ocupação da reitoria, o estudante Bernardo Paim, garante que a confirmação da adesão da UFPR ao Reuni não desmobilizou os alunos. ?O pessoal continua na luta.? A tendência do movimento, dizem os alunos, era de manter a ocupação e forçar a universidade a apresentar ao Ministério da Educação um outro projeto de expansão, diferente do Reuni. Segundo eles, isso já teria acontecido na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). ?Nós não somos contra a expansão. Somos contra a precarização do ensino que o Reuni irá trazer, com o cumprimento de metas e o fim da pesquisa e extensão?, disse Bernardo.

Até o fechamento da edição, a reportagem de O Estado não conseguiu contato com os integrantes da ocupação para saber as decisões tomadas na assembléia.

Negociação

Escolhido pelo Coun para comandar a comissão que vai negociar a desocupação da reitoria, o diretor do Setor de Tecnologia da UFPR, Mauro Lacerda, afirmou que haverá uma reunião hoje com os integrantes da comissão para definição da diretriz principal da interlocução. ?Uma das coisas que nós vamos conversar é a caracterização dos estudantes como movimento político, até para evitar sanções mais pesadas para eles?, afirmou. De acordo com Mauro, a desocupação com uso de força policial não está no horizonte da discussão.

Trabalho

Para dar continuidade ao cumprimento das obrigações da UFPR, os funcionários que trabalham no prédio ocupado se instalaram em outros departamentos da universidade para poder dar continuidade aos trabalhos. Além disso, ontem, depois de quatro dias fechados, os três restaurantes universitários (reitoria, Centro Politécnico e Setor de Ciências Agrárias) reabriram as portas. Segundo a universidade, nos três RUs são servidas cerca de cinco mil refeições diárias.