Delair Garcia / Tribuna do Norte
Delair Garcia / Tribuna do Norte

Rios que cortam municípios
da região estão secando.

A Sanepar está enfrentando um grande desafio para manter o município de Jandaia do Sul, no Norte do Estado, abastecido. O problema é a falta de chuva que, desde fevereiro, vem castigando a região. O manancial do Rio Marumbizinho, responsável pelo abastecimento da cidade, está com a vazão em 80 mil litros por hora (l/h), quando o normal no período seria em 300 mil l/h. A produção da unidade de captação de água da Sanepar, que costuma ser de 192 mil litros por hora, caiu 40% e pode cair ainda mais.

Desde o início de agosto foi adotado um sistema de abastecimento alternado entre as partes alta e baixa da cidade. Hospitais, creches, albergues, asilos e escolas estão sendo atendidos com o auxílio de caminhões-pipa, desde a última semana. A Sanepar está providenciando que dois poços artesianos entrem em operação para aumentar a produção de água, mas pede a compreensão da população para que faça uso racional da água.

Há vários dias, as equipes de operação e manutenção de redes estão trabalhando para eliminar possíveis vazamentos e executando manobras para distribuir a água entre as regiões. A cidade foi dividida em dois setores. O setor A, que compreende a região acima da Avenida Getúlio Vargas, recebe água da 0h às 12h, enquanto o setor B, a região abaixo desta avenida, fica abastecida do meio-dia até a meia-noite.

Sem chuva

Não chove adequadamente na região do Vale do Ivaí desde fevereiro. De acordo com o Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), o mês de agosto registra uma queda de 5 a 10 milímetros em relação à média histórica.

A Sanepar está com dificuldades nas captações superficiais em toda a região do Vale do Ivaí. Em Apucarana, a vazão do Rio Caviúna, que em média é de 3 mil metros cúbicos por hora, está em 700 metros cúbicos/hora, obrigando a empresa a captar água do Rio Pirapó. O município de Cambira está praticamente sendo abastecido por poços profundos, já que o manancial de mesmo nome está com a vazão abaixo do necessário para o abastecimento.

Califórnia também sofre com a estiagem, que pode provocar racionamento do abastecimento se não chover nos próximos 15 dias. A situação não é diferente em São João do Ivaí. Lá a vazão do Rio Macaco está sendo complementada com água do Rio Macaquinho.

Queimadas

As chuvas que caíram no Estado, na manhã de ontem, foram de grande alívio para os bombeiros. Graças a elas, foi extinto o incêndio que desde domingo queimava a vegetação da Ilha do Bandeirante, uma das componentes do Parque Nacional de Ilha Grande, na divisa do Paraná com o Mato Grosso do Sul.

No parque, o fogo queimou cerca de 3 mil hectares. O Ibama fará uma perícia para apurar as causas do incêndio.

Oeste

Em Quedas do Iguaçu, no Oeste do Estado, cerca de 300 alqueires de uma fazenda foram destruídos por um incêndio que começou na terça-feira. Outros focos também acabaram controlados com a chegada das chuvas.

Vila Velha

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) constatou que a área atingida pelo incêndio de terça-feira (23), no Parque Estadual de Vila Velha, foi de 30 hectares de vegetação nativa. O fogo foi totalmente extinto, mas técnicos do instituto ainda monitoram o parque.