Allan Costa Pinto / GPP
Allan Costa Pinto / GPP

Por uma reivindicação dos comerciantes
do Mercado Municipal o sistema voltou
a ser cobrado nos locais próximos
ao estabelecimento.

Uma reivindicação dos comerciantes do Mercado Municipal de Curitiba que já durava quase dois anos finalmente foi atendida: o EstaR, que custa R$ 0,75, voltou a ser cobrado nas Ruas General Carneiro, Afonso Camargo e Sete de Setembro. Ontem, agentes da Diretran fizeram um trabalho informativo com os motoristas, que passarão a ser multados a partir da semana que vem caso não utilizem o EstaR.

Segundo o coronel Gilberto Foltran, a cobrança do estacionamento regulamentado parou de ser feita para que a Prefeitura pudesse realizar obras nos locais para solucionar um problema que envolvia guias rebaixadas e causava muita confusão na aplicação de multas. ?Alguns motoristas estacionavam nas calçadas, mas não podíamos multá-los por não ser da competência do Diretran (a competência nestes casos cabe aos agentes do Detran). Em contrapartida, quem não utilizava o EstaR era multado por nossos agentes?, explica.

Para solucionar o problema, a Prefeitura fez uma série de melhorias para poder, a partir de agora, voltar a fazer a cobrança do EstaR. ?Em janeiro, devemos retornar a cobrança também na Rua da Paz.?

O gerente do Mercado Municipal, José Carlos Koneski, diz que a cobrança é necessária para garantir a rotatividade de vagas na proximidade do local. ?A estimativa é de que circulam semanalmente pelo mercado 40 mil pessoas, e nas proximidades há 720 vagas, somando os espaços nas ruas e nos estacionamentos do próprio mercado e particulares. O EstaR permite que mais pessoas possam utilizar as vagas?, diz.

Para o presidente da Associação dos Comerciantes do Mercado Municipal, Mário Yamasaki, o retorno do EstaR às vésperas das festas de final de ano é providencial. ?O EstaR é um mal necessário. Durante o período em que não foi cobrado, muitos fregueses esporádicos acabavam desistindo de fazer compras por não achar vagas. Agora, que o movimento aumenta, é importante que haja uma maior rotatividade de vagas.?