O clima é de total insegurança na Escola Municipal Vereador José Andreassa, localizada na região do Cercadinho, em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba.

Há dois meses, o muro do estabelecimento foi atingido por um caminhão desgovernado. Desde então, o local está aberto, permitindo que os estudantes tenham livre acesso à rua.

“Após o acidente com o caminhão, foram colocados tapumes para fechar a escola. Porém, os mesmos foram retirados por vândalos e o colégio voltou a ficar aberto, exposto a diversas situações. Há alguns dias, por exemplo, os professores não puderam liberar as crianças das salas de aula porque um cachorro rottweiler havia entrado”, conta a dona de casa Rosali Sunski, que é mãe de uma aluna de onze anos.

Recentemente, a auxiliar de produção Roseli de Oliveira ficou indignada ao saber que sua filha, de 6 anos, havia saído da escola sem autorização na companhia de uma amiga um ano mais velha.

“Meu filho mais velho deixou a menina dentro da escola e, horas depois, vieram me contar que ela estava na rua. Graças a Deus nada de mal aconteceu, mas foi um absurdo. Alguma coisa precisa ser feita para que o colégio não continue aberto”, afirma.

A dona de casa Jorcenele Golchinski, que também tem uma filha de seis anos na instituição, se preocupa principalmente com a presença das crianças na quadra de esportes, localizada ao lado do local onde o caminhão bateu.

“Pode acontecer um monte de coisas ruins se a escola não for fechada. Não gosto nem de pensar e não consigo mais ficar sossegada quando minha filha está na escola.”

Na manhã de ontem, a equipe de reportagem de O Estado esteve em Campo Largo fotografando o colégio. Nos poucos minutos que permaneceu no local, viu um adolescente de bicicleta observando, da rua, as crianças que brincavam na cancha de esportes e posteriormente mostrando um par de tênis a alguns garotos. Esses saíram da escola para conversar com o adolescente sem que ninguém os impedisse.

Prefeitura

A Secretaria Municipal de Educação de Campo Largo, através de sua assessoria de imprensa, informou que está ciente do problema na escola e que está abrindo processo de licitação para que, junto com outras oito instituições do município, a Escola Vereador José Andreassa seja reformada e tenha o muro reconstruído.

“Também estamos conversando com pais de alunos, moradores da região e responsáveis pela escola na tentativa de encontrar uma solução provisória, para acabar com o problema até que o muro fique pronto”, comunica a administração municipal de Campo Largo. Não há previsão de data para que as obras sejam finalizadas. A escola municipal é anexa a uma estadual, denominada José Ribas Vidal.