Bem grudadinha com a mãe e em um conforto desigual. Foi assim que Maria Eduarda, com poucos dias de vida, passou a manhã de ontem junto com a mãe Janete de Oliveira.

A bebê nasceu prematuramente, no sétimo mês de gestação, e está na UTI Neonatal do Hospital de Clínicas (HC), vinculado à Universidade Federal do Paraná.

Maria Eduarda ainda precisa de cuidados, mas logo vai se beneficiar muito mais do colo de Janete na Enfermaria Mãe Canguru, inaugurada ontem. No espaço, os bebês que estão prestes a receber alta da UTI Neonatal ficarão com suas mães o máximo de tempo possível, na posição canguru, bem pertinho do peito da mãe.

Mitsuru Miyake, médico pediatra responsável pela UTI Neonatal do HC, conta que os bebês internados ficam sob cuidados da equipe médica. Os dias que antecedem à alta do hospital geram muita ansiedade aos pais.

Por isso, foi criada a Enfermaria Mãe Canguru, que vai funcionar como uma transição entre o ambiente médico e o lar. A ação faz parte da implantação do Método Canguru, programa de humanização do Ministério da Saúde que tem como objetivo diminuir o tempo de separação entre os pais e o recém-nascido.

A mãe poderá cuidar de sua criança 24 horas por dia, dormindo no hospital. Ainda tem a possibilidade de passar o tempo que puder e deixar o bebê na UTI Neonatal se quiser ir para casa, por exemplo.

“A mãe passa por treinamento e recebe orientações, sobre como alimentar e colocar na posição de canguru. E aprende os sinais de alerta para avisar a enfermaria caso o bebê não passe bem. Mas tudo acontece com supervisão”, explica Miyake.

De acordo com ele, a experiência só proporciona benefícios para o bebê, que recebe estímulos maternos e o contato direto com a pele. A criança fica apenas de fralda, meia e touca, coberta pelo avental da mãe. O bebê pode ficar na enfermaria até atingir 1,8 quilo, um bom estado de saúde e em aleitamento materno exclusivo.

Maria Eduarda está com 1,570 quilo e ganhou peso desde que começou a ter um contato mais estreito com a mãe. “Isto é maravilhoso. A gente sente que ela está melhor e que também gosta de ficar nesta posição. Se acomoda do jeitinho dela”, conta, encantada, a mãe Janete de Oliveira.

Maria Eduarda ainda precisa dos cuidados da UTI Neonatal e se alimenta por meio de sondas. Quando ficar mais forte, poderá ficar mais tempo na Enfermaria Mãe Canguru. “Hoje já fico aqui o dia inteiro. Na enfermaria, vou ficar 24 horas”, garante Janete.

A enfermaria tem capacidade para atender até três mães, com seus bebês. O local foi equipado com a ajuda da Associação dos Amigos do HC, com a doação de três berços, televisor, forno micro-ondas, refrigerador, aquecedores e banheiras. O mobiliário e a decoração foram doados pelo Núcleo Paranaense de Decoração.